Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
23/05/16 às 21h16 - Atualizado em 30/10/18 às 15h15

HRC cria cartilha para orientar pais de crianças com diabetes

Conteúdo foi baseado na história de paciente que não aceitava tratamento

BRASÍLIA (23/5/16) – Ka era uma garotinha que não entendia porque acabou internada no Hospital Regional de Ceilândia (HRC). Não compreendia porque não ia poder mais comer nada que tivesse açúcar. Ela não sabia o que era essa tal diabetes que a partir de então teria de conviver. E por mais que os médicos tentassem explicar para ela e para a mãe, não adiantava.

Estava lançado, então, um desafio para a equipe multiprofissional da pediatria do HRC: como fazer com que Ka aceitasse o tratamento? “Foi então que sentamos com os residentes e internos da Universidade de Brasília e construímos uma cartilha da criança com diabetes, para mostrar, de forma lúdica, o que é essa doença e como trata-la”, conta a supervisora de enfermagem do setor e uma das criadoras do livreto, Arlete Hosana.

Em setembro do ano passado o grupo de profissionais fez o conteúdo, criou uma personagem com o mesmo nome da garotinha internada no HRC e a metodologia já foi aplicada em quatro crianças que já passaram pela internação da unidade desde então.

“A criança e a família chegam aqui sem entender o porquê dos sintomas devido a glicemia estar muito alta. Com a explicação por meio da cartilha, eles passam a entender. Nunca mais nenhuma delas precisou ser internada e fazem acompanhamento ambulatorial”, explica a enfermeira.

PILOTO – O projeto criado no Hospital Regional de Ceilândia será apresentado, até julho, nos comitês de ética da Universidade de Brasília e da Secretaria de Saúde. ” A ideia é que todas as pediatrias da rede pública de saúde possam adotar essa cartilha como forma de orientar os pais e preparar as crianças para que elas se ajudem no tratamento”, explica Arlete Hosana.

Segundo a estudante de enfermagem Mariana Mendes, uma das criadoras da cartilha, o material passará por uma avaliação focal com outras crianças e poderá, inclusive, sofrer alterações de forma a melhorar a didática.

Confira as fotos aqui: