Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
16/10/19 às 9h01 - Atualizado em 17/10/19 às 12h08

HRT reduz superlotação e aumenta número de pacientes atendidos no Pronto-socorro

COMPARTILHAR

Unidade é um dos casos de sucesso entre 20 hospitais públicos brasileiros que adotaram a metodologia Lean

 

Diminuição no tempo de internação, na superlotação e aumento no número de pessoas atendidas no Pronto-socorro são resultados alcançados pelo Hospital Regional de Taguatinga (HRT) a partir da implantação do projeto Lean nas Emergências. Apesar de ter sido adotada em outubro de 2018, a ferramenta só foi colocada formalmente em prática em fevereiro deste ano, alcançando resultados acima da média nacional, se comparado a outros 20 hospitais públicos que também aderiram à metodologia.

 

De acordo com os dados registrados no sistema do HRT, houve uma queda de 76,63% na lotação, embora a unidade permaneça atendendo acima da sua capacidade; diminuição de 49,39% no tempo de internação, com queda de 14 para sete dias; e redução de 65,66% no tempo de passagem pela urgência sem internação. Isto significa que esse paciente, antes, ficava por até 20 horas e 29 minutos para concluir seu atendimento. Agora, ele permanece na unidade por 7 horas e 2 minutos.

 

Outro dado relevante é o aumento de 16,87% no número de internações. De janeiro a setembro de 2018, foram 19.918 pacientes internados no Pronto-socorro. No mesmo período de 2019, esse número saltou para 23.962.

 

Os números da unidade do Distrito Federal superam os avanços da média nacional. No mesmo ciclo que o HRT, outros 20 hospitais públicos de todo o Brasil foram selecionados para o programa Lean nas Emergências.

 

De acordo com dados do Ministério da Saúde, as unidades que participaram do 2º ciclo do projeto conseguiram uma redução média de 55% do indicador de lotação, 44% na diminuição do tempo de permanência na internação e 40% na redução do tempo de passagem pela urgência até a alta.

 

O diretor do HRT, Wendel Moreira, descreve o impacto que a metodologia Lean vem gerando no dia a dia do hospital: “Internamos mais, mas ficamos menos superlotados, resolvemos mais e diminuímos a mortalidade. Ao longo desse tempo, tivemos períodos críticos, mas, agora, conseguimos alcançar níveis de rotina, que é a nossa capacidade plena de 68 leitos do Pronto-socorro ocupados (o mesmo espaço já abrigou até 180 pacientes no passado). Isto é um avanço em termos de emergência hospitalar pública, sem utilizar mais recurso, mas otimizando o trabalho, a participação e, sobretudo, a resolutividade”, enfatiza o gestor.

 

SEMINÁRIO – Os resultados positivos da unidade de Taguatinga foram apresentados no 2º Workshop de Capacitação sobre a Metodologia Lean, ocorrido em São Paulo no dia 11 de outubro. O caso de sucesso do HRT foi alcançado no 2º ciclo do projeto Lean nas Emergências, implantando no Pronto-socorro.

 

As gerentes do Lean no HRT, Juliana Leão e Ana Maria de Faria representaram a unidade no workshop de capacitação sobre a metodologia, em São Paulo. Entusiasta da ferramenta, Juliana destaca: “É um momento importante de reconhecimento do trabalho executado no hospital e que impacta em salvar mais vidas, atender mais pacientes e com melhor qualidade, inclusive melhorando as rotinas para quem trabalha, a ambiência e otimizando nossos processos de trabalho”, comemora.

 

PROJETO – O Lean nas Emergências é um projeto conduzido pelo Hospital Sírio Libanês e financiado pelo Ministério da Saúde via Proadi-SUS. Trata-se de uma filosofia de gestão destinada à melhoria de processos, baseada em tempo e em valor, desenhada para assegurar fluxos contínuos e eliminar desperdícios e atividades de baixo valor agregado.

 

O HRT dispõe de 464 leitos e 32 especialidades ambulatoriais, as quais funcionam das 7h às 12h e das 13h às 19h. A área total do hospital corresponde a 33 mil m², sendo que o Pronto-socorro possui 1.407 m², onde há 68 leitos adultos, mais um de isolamento e outros 20 leitos de Pediatria.

 

De janeiro a setembro de 2018, o hospital registrou 1.029 óbitos no Pronto-socorro, em 2019, no mesmo período, houve 775 mortes – uma redução de 24,68%.

 

“Eu acredito que, apesar dos inúmeros desafios, a equipe do HRT, responsável por conduzir o projeto, está muito engajada. Durante sua execução, a alta liderança apoiou muito as entregas das ações planejadas, o que foi essencial para o êxito do projeto. Além disso, em uma crescente, vários servidores se sensibilizaram e se envolveram nas ações de melhoria”, avaliou o especialista em Medicina de Urgência e Emergência e Metodologia Lean Healthcare, Alisson Veríssimo, um dos tutores na implantação da metodologia no HRT.

 

De acordo com o especialista, “a forma colaborativa possibilitou o sucesso e as conquistas atuais no Pronto-socorro e a disseminação da cultura de melhoria no hospital”.

 

Josiane Canterle, da Agência Saúde

Fotos: Breno Esaki/Saúde-DF