Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
11/06/13 às 14h04 - Atualizado em 30/10/18 às 15h06

Investimentos em Saúde somam mais de R$5,8 bilhões em dois anos

COMPARTILHAR

Levantamento da Secretaria de Saúde mostra aumento de 118,9% na aplicação de recursos de 2012 em comparação a 2006

 

Mais de R$5,8 bilhões de investimentos foram realizados em várias áreas da Saúde durante os dois anos e cinco meses da atual gestão, de acordo com o balanço divulgado hoje pela Secretaria de Saúde no Palácio do Buriti.
 

Apenas os recursos empregados no ano passado, orçados em R$3,02 bilhões, representaram um aumento de 118,9% em relação aos investimentos feitos em 2006.
 

“(O recurso) é mais do que prova que a Saúde é a prioridade deste governo. Em pouco mais de dois anos, dobramos, do ponto de vista orçamentário, o volume de recursos que eram feitos na gestão passada”, destacou o chefe do Executivo regional durante a apresentação dos dados.

 

Em reunião no Palácio, convocada pela Casa Civil, a Secretaria de Saúde relatou as ações desenvolvidas pela pasta durante dois anos e cinco meses, com foco nos investimentos, contratação de pessoal e ampliação dos serviços oferecidos à população.
 

Nesse período, 29 unidades básicas de saúde foram reformadas, os prontos-socorros de Planaltina e Taguatinga, reconstruídos, e o número de leitos de unidades de terapia intensiva aumentou em mais de 100%.
 

“Passamos de 206 (leitos) em dezembro de 2010 para 437 neste momento. Nesta semana vamos entregar mais 20 no Hospital de Base e outros 21 em Santa Maria”, informou o secretário de Saúde, Rafael Barbosa.
 

MELHORIAS – Na atenção primária, por exemplo, foram construídas seis Clínicas da Família, e outras 15 devem ser entregues ainda este ano.
 

“Com essas obras, vamos chegar perto da perfeição em se tratando de cobertura da atenção básica, que hoje está em quase 53%”, explicou a subsecretária de Atenção Primária, Rosalina Aratani.
 

Na rede de atendimento de urgências e emergências, foram inauguradas quatro Unidades de Pronto-Atendimento (UPA), e outras seis estão em construção.
 

“Essas obras vão resolver nosso grande gargalo, que é a superlotação das emergências”, ressaltou o subsecretário de Atenção à Saúde, Roberto Bittencourt.
 

Outra novidade nessa área foi a modernização do Hospital de Base e a abertura das chamadas “Salas Vermelhas”, que atendem pacientes em estado grave em parceria com o Samu-DF – atualmente, três hospitais contam com o serviço, que deve ser ampliado 100% ainda este ano.
 

“Com esse balanço mais geral, temos a obrigação de mostrar à população que os serviços públicos de Saúde são de qualidade e estão avançando”, afirmou Agnelo Queiroz.
 

NOMEAÇÕES – O número de servidores também aumentou nesses dois anos de gestão, com cerca de 12 mil nomeações realizadas até o mês de junho.
 

Uma das medidas foi a contratação de recepcionistas, que, nos próximos dias, começarão a trabalhar nas emergências para orientar nos pacientes: “Isso vai acabar com as informações desencontradas. Ou seja, estamos investindo também no acolhimento”, comentou o governador.
 

Durante a reunião, também foram apresentadas as metas da Escola Superior de Ciências em Saúde (ESCS), que deve receber novos cursos e passar a se chamar UNISUS – a primeira universidade do país exclusiva para formação de profissionais da rede pública.

Agência Brasília