Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
9/03/21 às 20h08 - Atualizado em 10/03/21 às 16h10

Lacen-DF identifica as principais cepas da Covid-19 que circulam no DF

Até o momento não há registro das variantes de outros países

CRISTINA SOARES, DA AGÊNCIA SAÚDE-DF

 

Assim como ocorre com outros vírus, o Sars-CoV-2 – causador da Covid-19 – tem sofrido diversas mutações. No DF, é o Laboratório Central de Saúde Pública (Lacen-DF) o responsável pela análise das possíveis variantes que circulam na capital federal. Desde fevereiro o Lacen tem realizado o sequenciamento de genomas do Sars-CoV-2 de forma interna. Em paralelo, semanalmente são encaminhadas também amostras ao Instituto Adolfo Lutz, em São Paulo, que é o laboratório de referência nacional para as análises do DF.
São quatro as variantes mais recentes identificadas no Distrito Federal sequenciadas por meio de 87 amostras – Foto: Breno Esaki/Agência Saúde-DF

Até o momento, por meio do sequenciamento realizado pelo Lacen, foram identificadas no DF apenas as variantes brasileiras, o que inclui a cepa de Manaus. Não há registro das cepas de outros países, como do Reino Unido ou da África do Sul. São quatro as variantes mais recentes identificadas no Distrito Federal sequenciadas por meio de 87 amostras: P1, P2, B.1.1.28, B.1.1.143.

 

A B.1.128 foi uma das primeiras cepas a circular no DF. A P2 é a que teve os primeiros casos no país identificados no Rio de Janeiro, mas que já circula em outros estados e a variante B.1.1.143 é uma outra linhagem que também já é identificada em diversos estados. A P1 é a variante que foi encontrada inicialmente em Manaus e no DF foi identificada em pacientes que vieram para internação na capital federal. No início desta semana houve a identificação de três casos suspeitos de autoctonia por P1, em que a transmissão pode ter ocorrido dentro do DF, esses casos estão sendo investigados pela Diretoria de Vigilância Epidemiológica (Divep) para confirmação do ponto de transmissão.

 

Laboratório Central do DF analisa as possíveis variantes da Covid-19 no Distrito Federal – Foto: Breno Esaki/Agência Saúde-DF

O Lacen-DF chegou a encaminhar duas amostras para o Instituto Adolfo Lutz que foram posteriormente identificadas como sendo da variante B.1.1.7, do Reino Unido, mas que são de pacientes residentes no Entorno.

 

“Os resultados de sequenciamento permitem conhecer as rotas de circulação do vírus, através da identificação de diferentes variantes e linhagens de transmissão, ou seja, localidades em que o vírus está circulando em maior quantidade, em diferentes regiões geográficas ou até mesmo bairros, e então saber onde é preciso intervir de maneira mais intensiva com diferentes medidas, como o isolamento social e outras medidas não farmacológicas”, explica a diretora do Lacen, Grasiela Araújo.

 

As amostras sequenciadas no Lacen-DF têm seus resultados apresentados em relatórios e repassados à Divep assim que as análises são concluídas. Cabe à Divep realizar a investigação epidemiológica dos casos, monitorando os pacientes e os seus contatos.

 

Resultado das análises são enviados à Vigilância Epidemiológica – Foto: Breno Esaki/Agência Saúde-DF

“A investigação epidemiológica tem papel fundamental para identificar se o caso é de uma infecção ocorrida dentro do DF (autóctone) ou importada, que é quando a notificação ocorre no DF, porém a pessoa pode ter sido infectada em outro estado ou país. A Divep faz o monitoramento dos casos que estiveram em locais com a circulação das novas variantes e realiza a busca ativa entre os contatos, como forma de diminuir a transmissão e identificar precocemente novas variantes no DF”, explica o diretor da Divep, Cássio Peterka.

 

Todos os casos confirmados de Covid-19 e óbitos passam por investigação epidemiológica. A análise diária é divulgada diariamente na página da Secretaria de Saúde, na internet, com informações sobre o Coronavírus.