Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
6/08/15 às 14h31 - Atualizado em 30/10/18 às 15h12

Médicos farão curso para atendimento de emergências psiquiátricas

Objetivo é prepará-los para receber pacientes em surtos psicóticos

BRASÍLIA (6/8/15) – Médicos clínicos da Secretaria de Saúde que atuam no atendimento de urgências e emergências participarão, a partir das 14h30 desta quinta-feira (6), da primeira edição do Curso de Emergências Psiquiátricas, promovido pela unidade referência em saúde mental do Distrito Federal, o Hospital São Vicente de Paulo (HSVP). A diretora e psiquiatra da unidade, Ana Luiza Costa, explica que o objetivo é qualificar os profissionais para receber adequadamente quem apresenta surtos psicóticos.

“Sabemos que há dificuldade para médicos clínicos lidarem com esses casos clínicos que chegam nos prontos socorros e não existe uma capacitação específica para isso. Nós vamos oferecer um curso de conhecimentos básicos para que os médicos clínicos possam fazer a intervenção e manejo adequado”, disse, ao contabilizar aproximadamente 1,1 mil atendimentos emergenciais a cada mês em saúde mental apenas no HSVP.

O curso terá duração de quatro horas e abordará quatro temas: avaliação médicos dos casos em hospitais gerais, manejo do delírio, risco de suicídio e agitação psicomotora. “Esse tempo não é suficiente, mas os médicos estarão mais bem preparados. A ideia é que esse seja um primeiro contato com o conteúdo para que, posteriormente, sejam feitas outras capacitações”, informou Ana Luiza.

Nesta primeira edição, participarão do curso aproximadamente 25 profissionais, oriundos de unidade de saúde de Ceilândia, Recanto das Emas, Sobradinho, Guará, Samambaia, Planaltina e São Sebastião. Eles poderão, a partir do conhecimento adquirido, fazer palestra e replicar o conteúdo para os colegas.

“Apesar dos demais hospitais da rede não terem vocação para esse tipo de atendimento, como é o caso de Samambaia, há sempre demandas de pacientes com transtornos e surtos. Até mesmo os pacientes internados por outras complicações podem ter uma descompensação e desenvolver um surto”, complementou o cirurgião geral do Hospital Regional de Samambaia, Weber Matos, que idealizou a iniciativa.