Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
30/01/17 às 12h10 - Atualizado em 30/10/18 às 15h16

Nutricionista dá cinco dicas sobre leitura dos rótulos de alimentos

É necessário ficar atento às embalagens e observar itens que contenham ingredientes como a gordura trans

BRASÍLIA (30/1/17) – Muitas pessoas desconhecem a importância da leitura dos rótulos alimentares e, com tantos ingredientes que têm nomes desconhecidos, realmente fica difícil interpretar as embalagens. Por isso, a nutricionista da Secretaria de Saúde, Lúcia Coimbra, elaborou cinco dicas para que o consumidor saiba decifrar que produto está levando para casa.

DICA 1 – A primeira orientação é verificar a lista de ingredientes usados na fabricação do alimento que pretende adquirir. A relação de nomes é colocada de maneira decrescente, ou seja, aqueles produtos que aparecem em primeiro lugar são os que compõe a maior parte do alimento.

“Se a lista começar com açúcar, o produto terá mais açúcar do que qualquer outro ingrediente. Além disso, quanto mais nomes desconhecidos de ingredientes, mais aditivos químicos e outras substâncias prejudiciais ele possui. Os melhores são aqueles que possuem nomes que costumamos conhecer”, explicou, ao citar nomes comuns como farinha integral.

Lúcia citou que barras cereais de determinadas marcas são compostas majoritariamente de açúcar, por isso, ocupam o primeiro lugar da lista. Esse produto, na maioria das vezes, apresenta na tabela nutricional apenas 0,5 gramas de fibras, sendo que para ser considerado um alimento com fibra é necessário conter, pelo menos, 2 gramas. Os pães de fôrma classificados como integrais na embalagem, muitas vezes, também possuem farinha branca no topo da lista.

DICA 2 – As pessoas devem, ainda, ficar atentas à “porção”, que representa as calorias por cada quantidade do item. “Se o produto apresenta 100 calorias, é necessário verificar se aquelas calorias correspondem ao pacote inteirou ou só a uma fração”, alertou.

DICA 3 – O açúcar está presente em quase todos os alimentos e, muitas vezes, está disfarçado entre os itens por receber nomenclaturas diferentes como: sacarose, maltotriose, glicose, xarope de milho rico em frutose, dextrina, entre outros. Além de ser vilão doenças como diabetes e provocar o aumento do peso, o ingrediente traz consequência que muita gente desconhece.

“O açúcar é um elemento inflamatório, ou seja, diminui a proteção do corpo. O melhor é optar por açucares menos prejudiciais como o mascavo e o de coco”, informou.

DICA 4 – O glutomato monossódico também está nos rótulos de muitos produtos. Usado como realçador de sabor, o elemento causa diminuição do paladar ao longo do tempo.

Os corantes também são grandes vilões, porque aumentam o risco de desenvolver alergias e são considerados causadores de Transtorno do Déficit de Atenção com Hiperatividade (TDAH).

“A gelatina é um produto que todos consideram saudável, mas possui grande quantidade de corante e açúcar. O ideal é usar gelatina sem sabor”, informou.

DICA 5 – Muitas embalagens descrevem que o produto não contém gordura trans, o que não é completamente verdade. A Anvisa determina a quantidade mínima de 0,5 gramas para que o item entre na lista, ou seja, aqueles que possuem até 0,4 não são obrigados a declarar. Outros colocam apenas gordura hidrogenada.

A gordura trans é o resultado de uma mudança química nas molecas de gordura, que mudam sua consistência para ser utilizada em determinada receita. O elemento aumenta o colesterol total e ruim (LDL) e diminui o bom (HDL).

“Ao contrário do que muita gente pensa, a gordura que mais prejudica não é a de alimentos como a carne”, finalizou ao sugerir que as pessoas substituam o uso de óleos de milho e de soja, que são geneticamente modificados, por aqueles de coco e algodão, banha suína, e azeite.