Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
2/05/19 às 13h43 - Atualizado em 2/05/19 às 13h43

Oficina trata de educação e autoproteção de crianças e adolescentes contra violência sexual

Objetivo é qualificar e fortalecer profissionais da saúde no cuidado a esses grupos

 

A Gerência de Vigilância de Doenças e Agravos Não Transmissíveis e Promoção da Saúde e seu Núcleo de Estudos, Prevenção e Atenção às Violências (Nepav), em parceria com o Comitê Nacional de Enfrentamento à Violência Sexual contra Crianças e Adolescentes e a Campanha Aliança Nacional de Adolescentes por Direitos Sexuais LGBTI (ANA), realizam, durante esta quinta-feira (2), a Oficina de Educação e Autoproteção de Crianças e Adolescentes contra a Violência Sexual.

 

O evento se destina aos profissionais da rede pública de saúde e da rede de proteção às violências contra crianças e adolescentes do DF. Participam do curso 60 profissionais, prioritariamente da Atenção Primária das diferentes regiões de saúde, com foco nos profissionais dos Núcleos de Apoio à Saúde da Família (Nasf).

 

Também foram ofertadas vagas para as outras unidades da rede de saúde de todos os níveis de atenção, como Hospital da Criança de Brasília, Hospital Universitário de Brasília, ambulatórios dos Programas de Pesquisa, Assistência e Vigilância em Violência (PAVs) e policlínicas. O objetivo da oficina é fortalecer a atuação da rede de cuidado e proteção, bem como qualificar a prevenção, a autoproteção e o enfrentamento às violências sexuais contra crianças e adolescentes.

 

PARCERIAS – O treinamento faz parte da programação de educação permanente que a Secretaria de Saúde do DF vem oferecendo para toda a rede, em parceria com instituições nacionais e internacionais que compõem as redes nacionais de enfrentamento à violência sexual contra crianças e adolescentes.

 

A estratégia utilizada para a priorização das unidades participantes foi a escolha dos profissionais inseridos no contexto do atendimento direto a crianças e adolescentes, bem como os que estão inseridos em instituições e localidades estratégicas, a partir dos dados do perfil epidemiológico e indicadores de violência sexual contra crianças e adolescentes no Distrito Federal.

 

“Entendemos que esses profissionais são fundamentais para o desenvolvimento de diversas ações de prevenção à violência sexual. Nesse sentido, temos buscado aproximação com as equipes da Atenção Primária à Saúde para fortalecer a rede intrassetorial e o compartilhamento do cuidado”, enfatiza a gerente de Vigilância de Doenças e Agravos Não Transmissíveis e Promoção da Saúde, Fernanda Falcomer.

 

NÚMEROS – Somente em 2018, foram notificados, na secretaria, 948 casos de violência sexual. Destes, 830 foram contra pessoas do sexo feminino e 114, sexo masculino. Os casos de violência sexual contra crianças e adolescentes (de 0 a 19 anos) representam 72% do total.

 

Foram 569 meninas e 102 meninos. Do total de notificações de violência sexual contra no sexo feminino, 70% são de meninas vítimas (crianças e adolescentes). Do total de notificação de violência sexual no sexo masculino, 90% foram contra meninos (de 0 a 19 anos).

 

Os participantes do curso e as unidades receberão um kit educativo para o desenvolvimento de ações de prevenção à violência sexual com crianças e adolescentes nos seus territórios.

 

Esta ação abre a extensa programação no mês de maio, quando ocorrerão diversas ações coordenadas pelos Núcleos de Prevenção e Assistência à Violência (Nupav), nas regiões de saúde de mobilização, em alusão ao 18 de maio, Dia Nacional de Combate ao Abuso e à Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes.

 

Carolina Pedroza, da Agência Saúde

Fotos: Divulgação/Saúde-DF