Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
25/05/20 às 22h30 - Atualizado em 26/05/20 às 19h07

Pacientes recebem alta médica do Hospital de Campanha do Estádio Mané Garrincha

COMPARTILHAR

Recuperados da Covid-19, Teones e Rodrigo agradeceram a assistência recebida

 

JOHNNY BRAGA, DA AGÊNCIA SAÚDE  

Fotos: Geovana Albuquerque/Agência Saúde

A incerteza por enfrentar o novo coronavírus deu lugar à vitória, felicidade e comemoração à vida. Internados no hospital de campanha montado no Estádio Nacional Mané Garrincha, Teones Albino dos Fernandes, 42 anos, e Rodrigo dos Santos Araujo, 37 anos, receberam alta na noite desta segunda-feira (25), em meio à expectativa em rever a família e voltar, enfim, curados, para casa.

 

Os dois venceram à Covid-19 e receberam tratamento na rede pública de saúde. Eles foram internados no Hospital Regional da Asa Norte e, já no estágio de recuperação final da doença, foram transferidos para o hospital de campanha. Ela, chegou ao estádio na última sexta-feira (22) e ele no último sábado (23).  

Teones venceu à Covid-19 e recebeu alta do hospital de campanha

  Teones, que inicialmente foi internada pelo Hospital da Região Leste agradeceu a equipe médica pela assistência recebida e deu um alerta para que a população evite se expor ao vírus. “Não é brincadeira. Eu peço que se cuidem, é muito sério o que eu passei”, alertou. Agora, fora do hospital, a expectativa é vida normal de agora em diante. “Com fé em Deus eu vou ficar boa seguindo as recomendações dos médicos”.

 

 

EXPECTATIVA – Rodrigo foi levado pelo Samu ao HRAN e ficou internado no pronto-socorro. Ele foi o segundo paciente a receber alta da internação do hospital de campanha e, agradecido, elogia o atendimento que recebeu. “Fui cuidado como como se fosse filho da equipe. Agradeço o cuidado que tiveram comigo, desde o primeiro atendimento no posto de saúde, até me encaminharem para o HRAN. Só tenho a agradecer”, afirma.  

Rodrigo agradeceu à equipe pela assistência recebida na rede pública de saúde

 

Agora ex-paciente, Rodrigo deixa um recado à população. “Fiquem em casa! Não brinquem, que a doença é séria. Só sabe como é quem passa por isso. Tem quem brinca que não vai usar a máscara, não deixem de usar!”, recomenda.

 

 

A UNIDADE – O hospital de campanha foi equipado com 197 leitos, sendo 173 de enfermaria adulto, mais 20 de suporte avançado e quatro de emergência. Para garantir o funcionamento deles já foram contratados, até o momento, 134 profissionais de várias especialidades. A expectativa é chegar a aproximadamente 300 funcionários quando todos os leitos estiverem ocupados.

 

Os primeiros pacientes foram internados na unidade na última sexta-feira (22) e, no sábado, outros foram internados no local, totalizando 20 pessoas. Com as duas altas, na noite de hoje, é uma transferência ontem, 17 pacientes seguem internados no hospital de campanha.

 

O local possui todos os equipamentos de proteção individual (EPIs) necessários para os profissionais que estão na linha de frente dos atendimentos aos pacientes infectados pela Covid-19, como luvas, capotes, jalecos, máscaras N-95, óculos de proteção, protetor face Shield, além de insumos e medicamentos.

 

CONTRATOS – Dois contratos emergenciais foram necessários para preparar o hospital de campanha. O primeiro, no valor de R$ 79 milhões, foi firmado para o gerenciamento dos leitos, fornecimento de insumos e equipamentos hospitalares e a contratação da equipe de saúde, formada por médicos, enfermeiros, farmacêuticos, entre outros.

 

O segundo contrato, no valor de R$ 5,9 milhões, foi necessário para realizar as obras de adequação física do estádio, tornando-o um hospital de campanha. As mudanças incluíram desde a demolição de parte da estrutura, as instalações de um novo piso na área da UTI, de nobreak e sistema I.T. médico – um tipo de rede elétrica exigida em alguns ambientes de assistência médica especializada.   Além disso, o contrato contempla ainda o redimensionamento do sistema de ar condicionado, a construção de postos de enfermagem, a manutenção corretiva e preventiva durante o período de atendimento, além do processo de desmontagem que ocorrerá depois da pandemia. Ao final do contrato, os bens e equipamentos contemplados serão incorporados ao patrimônio da Secretaria de Saúde e passam a ser propriedade da pasta.

 

Vídeos: Johnny Braga/Agência Saúde   Pacientes recebem alta no Hospital de Campanha