Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
26/01/15 às 10h04 - Atualizado em 30/10/18 às 15h11

Prevenção aumenta cura de câncer de colo do útero

Exame preventivo é indolor, simples e rápido

BRASÍLIA (26/1/15) – O número de mortes provocadas por câncer de colo do útero caiu 70% a partir da criação de programas de rastreio organizado, que realizam o exame preventivo – Papanicolau – em pacientes-alvo (mulheres entre 25 e 64 anos). “O câncer de colo se inicia por uma lesão precursora ou pré-neoplasia, que uma vez diagnosticada por meio do exame e tratada impede a evolução para esta patologia”, explica Sônia Maria Ferri, chefe do Núcleo de Detecção Precoce do Câncer da Secretaria de Saúde do DF, ao informar que o Papanicolau pode ser feito em todas as unidades de saúde da rede pública .

O câncer do colo do útero é o segundo tipo de câncer mais comum entre as mulheres no mundo, com aproximadamente 500 mil novos casos por ano. No entanto, entre todos os tipos da doença é o que apresenta um dos mais altos potenciais de prevenção e cura. Quando diagnosticado na fase, inicial, as chances de cura são de 100%.

O colo do útero é a parte inferior do útero onde se encontra a abertura do órgão, localizando-se no fundo da vagina. O colo uterino separa os órgãos internos e externos da genitália feminina, estando mais exposto ao risco de doenças e alterações relacionadas ao ato sexual. O câncer do colo do útero é o crescimento anormal das células que compõem o colo uterino. Essas alterações que precedem o câncer de colo não têm sintomas e são facilmente descobertas no exame preventivo.

O principal fator agressor relacionado a esse tipo de câncer é a infecção local pelo vírus HPV (papiloma vírus humano). A transmissão do HPV se dá principalmente pela via sexual, sendo considerada a doença sexualmente transmissível (DST) mais comum nos dias atuais. Vacinar-se contra o HPV é também uma medida eficaz para prevenção do câncer do colo do útero.

“O câncer do colo uterino é uma patologia prevenível . Como gestores, devemos nos empenhar fortemente na divulgação da importância da realização do exame citopatológico e ofertar condições de diagnóstico e tratamento precoce. As pacientes devem procurar informações sobre o resultado do exame e o seguimento do tratamento, quando necessário. Somente em conjunto poderemos diminuir a incidência e as taxas de mortalidade desta patologia”, concluiu Ferri.

Quem deve se submeter ao exame?
Mulheres entre 25 e 64 anos que já tiveram a vida sexual iniciada

Com qual frequência o exame preventivo deve ser realizado?
Os dois primeiros exames devem ser feitos com intervalo de um ano. Se os resultados forem normais, o exame passará a ser feito a cada três anos. O exame preventivo também pode ser feito durante a gravidez, se estiver na época recomendada.

Onde fazer o exame?
Na unidade de saúde mais próxima de sua residência, com exceção às UPAs

Quais são os sintomas da doença?
Na sua fase inicial, o câncer do colo do útero geralmente, não apresenta qualquer sintoma. Com a progressão da doença, pode surgir sangramento vaginal anormal (principalmente em mulheres na menopausa), corrimento vaginal escurecido com cheiro desagradável e dor abdominal. Em casos mais avançados, esses sintomas podem aparecer em conjunto com queixas urinárias e intestinais.

AS MULHERES QUE JÁ REALIZARAM O EXAME, NA REDE PÚBLICA, E NÃO RECEBERAM O RESULTADO DA CITOLOGIA DEVEM LIGAR PARA O NÚMERO 160. 

Saiba mais:

Câncer do colo do útero não apresenta sintomas em fase inicial

No DF, 804 mil mulheres têm mais chances de ter câncer do colo