Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
5/06/20 às 16h54 - Atualizado em 8/06/20 às 14h20

Pronto-socorro do HRC altera fluxo de atendimento

COMPARTILHAR

Espaço que abriga ortopedia e cirurgia geral atenderá pacientes da Covid-19

 

 

LEANDRO CIPRIANO E JOHNNY BRAGA, DA AGÊNCIA SAÚDE

 

Foto: Breno Esaki/Agência Saúde

A partir desta segunda-feira (8), o pronto-socorro ortopédico e da cirurgia geral do Hospital Regional de Ceilândia (HRC) será transferido para os hospitais regionais de Santa Maria e Taguatinga. As duas unidades passarão a atender a demanda das regiões de saúde Oeste e Sudoeste de forma temporária. Com isso, o espaço que abriga os leitos destas duas especialidades passa a atender, de forma gradativa, somente pacientes com a Covid-19. O planejamento da Secretaria de Saúde é que esse fluxo seja mantido pelos próximos 60 dias.

 

“Esses dois hospitais que serão a retaguarda para essas duas especialidades. O restante das áreas (ginecologia e pediatria) continuam no HRC. Porém, com toda a adequação para também darmos o maior aporte possível aos pacientes com a Covid-19”, informou o subsecretário de Atenção Integral à Saúde, Luciano Agrizzi.

 

As mudanças no fluxo de atendimento da unidade ocorrem como parte do plano estratégico dos gestores do gabinete especial da Secretaria de Saúde, montado em Ceilândia, para reduzir o aumento de casos do novo coronavírus (Sars-CoV-2) na região. Ao todo, 31 leitos estarão disponíveis no pronto-socorro da unidade aos acometidos pelo vírus e outros dez leitos de terapia intensiva que já foram reformados estão aptos a receber os pacientes a partir deste sábado (6).

 

Pelo novo fluxo, os pacientes encaminhados ao pronto-socorro do HRC com trauma, com solicitação de parecer da Ortopedia referenciados pela Atenção Primária, ou demanda espontânea nessas áreas, com atendimento pré-hospitalar realizado pelo Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) ou Corpo de Bombeiros, serão encaminhados ao HRT e HRSM.

 

A demanda que seria absorvida pela Unidade de Pronto Atendimento Ceilândia (UPA) também será direcionada a Santa Maria, se for necessário.

 

NECESSIDADE – Em caso de maior necessidade, serão mantidos no HRC pelo menos dois plantonistas de cirurgia geral por turno de trabalho, para prestar atendimento à demanda interna do hospital por pareceres e cirurgias, bem como atender pacientes críticos sem condições de transferência.

 

Além disso, em caso de necessidade de movimentação de recursos humanos, a escala de servidores das especialidades do HRC seria cumprida no Hospital Regional de Taguatinga, temporariamente, enquanto durar essa mudança. A Portaria nº 220, de 7 de abril de 2020, prevê normas para lotação e movimentação provisória dos servidores da Secretaria de Saúde durante o período de pandemia.

 

PLANO – A medida faz parte do plano estratégico de combate ao coronavírus, que tem como meta reduzir a incidência da Covid-19 em Ceilândia.

 

De acordo com o último boletim epidemiológico divulgado pela Secretaria de Saúde, nesta quinta-feira (4), Ceilândia registra 1.565 casos confirmados da Covid-19, com 39 óbitos.

 

Também é previsto para a região a entrega de uma nova UPA em dezembro. Além disso, o hospital que será acoplado ao HRC, fruto de uma doação da empresa JBS, contará com 73 leitos, três deles com suporte respiratório. Já o hospital de campanha construído pelo GDF terá 60 leitos, sendo 20 com suporte respiratório. A previsão é que ambos sejam entregues em 60 dias.