Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
9/06/20 às 13h41 - Atualizado em 9/06/20 às 13h50

Salas de vacina estão abastecidas com doses do calendário vacinal

Vacinas estão disponíveis nas UBSs e protegem contra mais de 20 doenças 

 

GUILHERME PEREIRA, DA AGÊNCIA SAÚDE

 

Arte: Rafael Ottoni

Nesta terça-feira (9) comemora-se o dia nacional da imunização. A iniciativa é uma forma de relembrar a população da importância de se manter imunizada. No Distrito Federal, a Secretaria de Saúde distribui – entre doses e reforços vacinais – vacinas que protegem contra mais de 20 doenças.

 

Atualmente, um adulto com a sua situação vacinal regularizada, precisará tomar uma vacina a cada 10 anos (dT – dupla adulta, contra difteria e tétano), exceto a vacina contra o vírus  Influenza (gripe), que precisa ser atualizada anualmente para os que pertencem aos grupos prioritários. A enfermeira da Área Técnica de Imunização, Fernanda Ledes, explica que a razão disso é uma diferente circulação do vírus Influenza nos hemisférios sul e norte. “Anualmente as cepas (subtipos dos vírus) que constituem a vacina são modificadas pela Organização Mundial de Saúde, de acordo com a circulação dos vírus Influenza no mundo”, destaca.

 

HISTÓRIA – Em 1798 o termo “vacina” foi utilizado pela primeira vez, quando em meio a uma epidemia de varíola o médico e cientista Edward Jenner notou que as ordenhadoras de vacas de um pequeno vilarejo pareciam estar imunes à doença, isso porque – devido ao contato constante com os animais – as ordenhadoras acabavam por adquirir a varíola bovina.

 

Concluindo que a varíola bovina trazia certa imunidade aos humanos, Jenner inoculou os dois tipos de vírus em um garoto do mesmo vilarejo e este teve a doença de uma forma branda, o que possibilitou que o cientista iniciasse os estudos neste campo.

 

A palavra vacina, inclusive, deriva justamente de Variolae vaccinae, nome científico dado à varíola bovina.

 

CALENDÁRIO NACIONAL DE VACINAÇÃO – Atualmente, o processo para imunização mudou muito. Cada vacina é estudada e inserida no Calendário Nacional de Vacinação em esquemas e idades específicas, visando uma maior eficácia. Por isso é importante que os esquemas sejam seguidos adequadamente.

 

“Os indivíduos até 29 anos de idade precisam ter pelo menos duas doses da vacina tríplice viral (que protege contra sarampo, caxumba e rubéola). De 30 a 59 anos de idade, pelo menos uma dose da vacina tríplice viral. Além disso, todos adultos precisam ter sua dose da dT atualizada (a cada 10 anos é necessário um reforço), esquema da hepatite B (que consiste em um esquema de 3 doses, não há necessidade de reforço. O esquema iniciado em qualquer momento deve ser completado, não havendo necessidade de reiniciá-lo) e pelo menos uma dose da vacina contra febre amarela (não há mais indicação de reforço, como havia até 2017)”, explica Fernanda Ledes.

 

CAMPANHA – Na campanha de vacinação contra o vírus influenza, a Secretaria de Saúde já aplicou 809.837 doses. O número corresponde a 86,2% da cobertura vacinal.

 

Até 30 de junho, todos os integrantes do grupo de risco, que ainda não foram imunizados, poderão procurar uma das 128 salas de vacina.