Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
21/10/19 às 14h38 - Atualizado em 21/10/19 às 14h38

Saúde capacita 350 bombeiros para o combate ao Aedes

COMPARTILHAR

Envolvimento de toda a população é fundamental para acabar com focos

 

Para reforçar o trabalho realizado pela Secretaria de Saúde no combate ao Aedes aegypti, 350 militares do Corpo de Bombeiros foram capacitados. A instrução faz parte do curso de formação dos praças e oficiais da corporação.

 

“Já temos uma parceria forte com o Corpo de Bombeiros e esses militares são fundamentais no combate ao Aedes. Com esse treinamento, eles estão prontos para nos ajudar nesse trabalho”, destacou o diretor de Vigilância Ambiental da Secretaria de Saúde, Edgar de Souza.

 

Durante uma manhã, os militares aprenderam, com amostras vivas, a biologia do Aedes aegypti, desde a fase de ovo até a eclosão. Também constou na programação da aula o controle vetorial, como inspecionar residências e a abordagem da população, tratamentos a serem realizados, utilização de Ultra Baixo Volume (fumacê), monitoramento de armadilhas, dentre outros.

 

A estes 350 bombeiros somam-se, em média, outros 400 profissionais da Secretaria de Saúde que trabalham, diariamente, em todas as regiões administrativas do Distrito Federal combatendo o mosquito e orientando os cidadãos.

 

ENGAJAMENTO – Os esforços do Governo do Distrito Federal para combater o mosquito são constantes. Entretanto, toda e qualquer ação do poder público só tem efeito com a participação e o engajamento popular. Por isso, é importante que medidas simples sejam adotadas por todos.

 

É necessário manter caixas d’água, tonéis e barris de água tampados, fechar bem os sacos plásticos com lixo, manter garrafas de vidro ou plástico sempre com a boca para baixo e encher os pratinhos ou vasos de planta com areia até a borda. Também é preciso limpar as calhas com frequência, evitando que galhos e folhas impeçam a passagem da água.

 

Em caso de identificação de focos do mosquito, os moradores podem acionar a Vigilância Ambiental pelo telefone 160 para que as equipes intensifiquem o trabalho no local. É possível, ainda, comunicar focos pelo site Brasília contra o Aedes.

 

Fábio Magalhães, da Agência Saúde

Fotos: Divulgação/Saúde-DF