Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
27/04/15 às 15h46 - Atualizado em 30/10/18 às 15h12

Saúde do Idoso do Guará alerta sobre risco de queda

Estima-se que há uma queda para cada três indivíduos

BRASÍLIA (27/4/15) – Prevenção é a palavra de ordem para evitar quedas em pessoas idosas. Este grupo é considerado mais vulnerável às chamadas quedas de própria altura que ocorrem geralmente no ambiente doméstico, em especial, na cozinha e no banheiro. Atenta a essa demanda, a coordenação de Saúde do Idoso do Guará realizou uma palestra de sensibilização para essa população e familiares destacando os riscos que existem na realidade cotidiana do idoso.

A casa que representa o abrigo e a segurança do idoso pode ser na realidade sua maior adversária. Já na rua, os obstáculos como uma calçada irregular, ou o simples ato de pegar um ônibus, podem oferecer riscos. Isso porque a população acima de 60 anos está mais suscetível às situações de queda devido às limitações que chegam com a idade, como diminuição das capacidades físicas e cognitivas, doenças crônicas degenerativas e principalmente, o comportamento adotado por ele, que muitas vezes superestima as suas capacidades.

Segundo Rosângela Lima, coordenadora do programa do Idoso no Guará, a mente do idoso na maioria das vezes não acompanha a debilidade corporal que vem com a idade ou até mesmo por conta de uma doença. Destacou em sua fala que os riscos são variáveis, mas, impossíveis de serem ignorados. Na proporção, quanto mais vulnerável e mais frágil o idoso, mais suscetível aos riscos ambientais ele estará, mesmo que mínimos. O grau de risco, aqui, depende muito da capacidade funcional do idoso.

“Na palestra destacamos dois pontos importantes o que o idoso pode fazer para prevenir as quedas e o que a família pode fazer para ajudar na adoção de novos hábitos e adequação do ambiente. A queda nessa idade é perigosa porque o idoso não tem a mesma recuperação que uma criança ou uma pessoa jovem. Não é um processo fácil, e por isso, é importante a participação da família para ajudar nessa adaptação psicossocial”, afirmou.

De acordo com o Ministério da Saúde, estima-se que há uma queda para um em cada três indivíduos com mais de 65 anos e, que um em vinte daqueles que sofreram uma queda sofram uma fratura ou necessitem de internação. Dentre os mais idosos, com 80 anos e mais, 40% caem a cada ano. Dos que moram em asilos e casas de repouso, a frequência de quedas é de 50%.
Para ajudar na diminuição dessa estatística, a coordenação lançou no evento o projeto “Circuito Multissensorial” com o objetivo de trabalhar o equilíbrio, a socialização, cognição dentre outras áreas. O projeto tem a parceria da UnB e no evento já cadastrou 20 pacientes. A regional do Guará será a segunda a receber o projeto que já acontece em Ceilândia.

Para prevenir quedas você deve:
Praticar exercícios regularmente, consultar regularmente um o oftalmologista uma vez por ano, revisar com o médico os remédios que utiliza e tenha uma vida social ativa.

Em casa:
Levantar-se devagar da cama, retirar objetos soltos e espalhados pelo chão, remover tapetes soltos, evitar subir em banquinhos ou escadas para pegá-los, manter ambientes bem iluminados, deixar sempre uma luminária ou abajur aceso, ter corrimão fixado à parede nas escadas, ter barra de apoio fixado à parede dentro do box e colocar tapetes antiderrapantes no seu banheiro.

Na rua:
Nas compras, usar sacolas pequenas, quando necessário fazer uso de apoio ou bengala, usar calçados baixo, fechados e com solado antiderrapante e caminhar pela calçada são algumas dicas.