Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
11/03/20 às 18h03 - Atualizado em 12/03/20 às 8h36

Saúde está preparada para enfrentar o coronavírus

Pasta garante que não há motivo para pânico

 

Depois de confirmado o diagnóstico do segundo caso de infecção por coronavírus, no Distrito Federal, o secretário de Saúde, Osnei Okumoto; o secretário-adjunto de Saúde, Ricardo Tavares; o presidente do Instituto de Gestão Estratégica de Saúde do DF (Iges-DF), Francisco Araújo; o sanitarista Eduardo Hage e o chefe da Casa Civil, Valdetário Monteiro, participaram de coletiva à imprensa nesta quarta-feira (11), no Salão Branco do Palácio do Buriti, para tratar do tema e esclarecer as ações do governo em relação ao Covid-19.

 

O secretário de Saúde, Osnei Okumoto afirma que não há motivos para pânico e nem existe necessidade de procura excessiva de atendimento nos hospitais regionais da Asa Norte (Hran) ou o Hospital de Base (HBDF), que são referência no tratamento de casos de Covid-19.

 

“Estamos atendendo todos os pacientes dentro do fluxo que foi estabelecido pelo nosso plano de contingência. Por isso, não há motivo de pânico, que acaba gerando uma busca excessiva de atendimento nos hospitais de referência no tratamento do coronavírus”, ressalta o secretário, Osnei Okumoto.

 

A orientação para quem possui plano de saúde é que procure algum hospital privado, tendo em vista que toda a rede particular possui estrutura suficiente para atender possíveis casos de coronavírus. Já os pacientes sem convênio médico devem buscar atendimento, primeiramente, na Unidade Básica de Saúde (UBS) da sua região.

 

INSUMOS PARA TESTES – A Secretaria de Saúde espera receber ainda hoje (11) os insumos necessários para realizar exames que confirmem diagnóstico de infecção por coronavírus na capital. Dessa forma, o Laboratório Central de Saúde Pública do DF (Lacen-DF) poderá fazer o diagnóstico, sem a necessidade de contraprova. Atualmente, as amostras são analisadas no Instituto Adolfo Lutz, em São Paulo.

 

Sobre equipamentos de proteção, Ricardo Tavares, secretário-adjunto de Saúde, ressaltou que os profissionais de saúde estão com todos os equipamentos de proteção individuais (EPIs) que são necessários. “A Secretaria de Saúde já fez aquisição de máscaras de proteção tanto para servidores como pacientes que são casos suspeitos.”, explica.

 

SEGUNDO CASO – O segundo caso de coronavírus confirmado no DF é do marido da paciente que segue internada há uma semana na UTI do Hospital Regional da Asa Norte (Hran). Ele acompanhava o tratamento da esposa e também viajou com ela para o Reino Unido e Suíça recentemente. A Pasta ainda aguarda o resultado da contraprova do exame. Amostras clínicas serão analisadas em São Paulo, no Instituto Adolfo Lutz, como prevê o Ministério da Saúde (MS).

 

O paciente está bem, com quadro clínico de saúde estável e a indicação é que ele fique em isolamento domiciliar. O coronavírus só se agrava em situação de pacientes que possuem algumas comorbidades, como é o caso da paciente de 52 anos. Com isso, não há transmissão direta no DF, pois o casal adquiriu o vírus em viagem internacional.

 

O sanitarista da Secretaria de Saúde, Eduardo Hage, conta que após a notificação do resultado preliminar positivo, a Ses deu início ao protocolo de busca de pessoas que tiveram contato com o paciente, seja durante a viagem, seja na chegada ao país. A lista de passageiros que compartilharam os voos foi solicitada à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). “Todos serão monitorados, acompanhados e, quando necessário, terão amostras colhidas e analisadas”, explica.

 

ARTICULAÇÃO – Desde 29 de fevereiro, o DF está em situação de emergência no âmbito da saúde pública em razão do risco de pandemia do coronavírus. A medida permite alinhar ações de enfrentamento da doença por 180 dias. A capital segue as recomendações do Ministério da Saúde e monitora a situação, diariamente, por meio do Centro de Informações Estratégicas e Resposta em Vigilância em Saúde (Cievs-DF).

 

Foi criado um Plano de Contingência que sistematiza ações e procedimentos de resposta. O texto pode ser alterado conforme mudanças na situação da doença na capital, que é monitorada periodicamente. A rede pública do Distrito Federal está preparada para atender pacientes infectados pelo coronavírus.

 

PORTARIA NO DODF – Em portaria publicada no Diário Oficial desta quarta-feira (11), a Secretaria de Saúde proibiu visitas nas unidades de internação e Unidades de Tratamento Intensivo (UTI) a pacientes diagnosticados com o Covid-19. A medida visa conter a proliferação do coronavírus. A insuficiência de dados científicos  sobre a doença é um dos motivos que se destacam na portaria. “Até o momento, não há informação suficiente que defina quantos dias anteriores ao início dos sinais e sintomas uma pessoa infectada passa a transmitir o vírus”.

 

ENTENDA – O coronavírus (Covid-19) é um vírus que causa doença respiratória com sintomas semelhantes a um resfriado (febre, tosse, dificuldade em respirar), podendo também causar pneumonia. As investigações sobre as formas de transmissão ainda estão em andamento, mas se sabe que a disseminação ocorre de pessoa para pessoa, por gotículas respiratórias ou contato direto. Ele tem transmissão menos intensa que o vírus da gripe, sendo menor o risco de circulação mundial.

 

Jurana Lopes, da Agência Saúde

Fotos: Geovana Albuquerque, Agência Saúde