Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
19/02/19 às 9h47 - Atualizado em 19/02/19 às 10h17

Saúde inspeciona mais de 104 mil imóveis contra o Aedes

 

 

O combate ao Aedes aegypti, intensificado no Distrito Federal com as ações do SOS DF Saúde, atingiu a marca de 104.374 imóveis vistoriados nos meses de janeiro e fevereiro de 2019. As inspeções são realizadas em parceria com diversos órgãos do Governo do Distrito Federal.

 

“As ações de manejo ambiental, mobilizações e visitas domiciliares ocorrem rotineiramente. Mas, de janeiro a março, devido às chuvas, intensificamos as atividades”, informou o responsável pela Diretoria de Vigilância Ambiental (Dival), Petrônio Lopes.

 

Durante as inspeções, as equipes da Vigilância Ambiental também instalaram armadilhas para identificar a presença do mosquito adulto em alguns pontos do Distrito Federal e fizeram ações de manejo em 15 regiões administrativas.

 

COMBATE AO AEDES  De acordo com a Vigilância Ambiental, o engajamento da população é fundamental no combate ao mosquito.  A principal forma de se prevenir as doenças transmitidas pelo inseto é manter o monitoramento constante nas residências, sempre buscando evitar água parada.

 

 

“A população deve contribuir com, no mínimo, 15 minutos por semana, inspecionando seus imóveis. Deve, também, abrir as portas dos imóveis para os agentes de Vigilância”, frisou Lopes.

 

Para evitar a proliferação do mosquito, é necessário manter caixas d’água, tonéis e barris de água tampados, fechar bem os sacos plásticos com lixo, manter garrafas de vidro ou plástico sempre com a boca para baixo e encher os pratinhos ou vasos de planta com areia até a borda. Também é preciso limpar as calhas com frequência, evitando que galhos e folhas impeçam a passagem da água.

 

Em caso de identificação de focos do mosquito, os moradores podem acionar a Vigilância Ambiental pelo telefone 160 para que as equipes intensifiquem o trabalho no local. É possível, ainda, comunicar prováveis focos pelo site Brasília conta o Aedes

 

 

Ailane Silva, da Agência Saúde

Fotos: Matheus Oliveira/Arquivo-SES