Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
22/05/18 às 16h55 - Atualizado em 30/10/18 às 15h19

Saúde licita manutenção de 90% dos aparelhos de ar condicionado

COMPARTILHAR

Houve contratos de manutenção que geraram economia de 30% – Foto: Mariana Raphael

 

A Secretaria de Saúde licitou os contratos de manutenção de 90% dos aparelhos de ar condicionado de toda a rede pública. Para alcançar os 100% falta concluir apenas o processo licitatório do Hospital Regional da Asa Norte (Hran).

 

“Isso significa muito para a Secretaria de Saúde, porque sem centrais de ar-condicionado não funcionam UTIs, não se fazem cirurgias. Então, é muito importante termos alcançado essa marca de 90% de cobertura contratual de manutenção”, comenta a subsecretária de Infraestrutura em Saúde, Liliane Menegotto.

 

Houve contratos de manutenção que resultaram em economia de, aproximadamente, 30% aos cofres públicos, em comparação aos valores praticados nos acordos anteriores.

 

É o caso do contrato no Hospital Regional de Santa Maria (HRSM), que caiu de R$ 1.078.906,56 para R$ 730 mil neste ano – uma redução de 32,34% –, e do Hospital da Região Leste (antigo Paranoá), que diminuiu de R$ 1.111.641,24 para R$ 697.191,26 – uma queda de 37,28%.

 

O valor pactuado para manutenção dos ares-condicionados do Hospital Materno Infantil de Brasília (Hmib) também resultou em redução de custo: caiu de R$ 855.296,16 para R$ 657.999,80, o que representou uma redução de 23,07%.

 

Estão com contratos de manutenção em andamento os hospitais de Planaltina, Paranoá, Hmib, Ceilândia, Brazlândia, Guará, Sobradinho, Gama e Santa Maria, além do Centro Radiológico de Taguatinga (CRT).

 

HRAN – Conforme as informações da subsecretária Menegotto, o contrato no Hran aguarda apenas a descentralização de recursos da Secretaria de Saúde para a Companhia Urbanizadora da Nova Capital (Novacap).

 

Tão logo essa etapa seja concluída será possível publicar a licitação ainda em junho. “O projeto básico já está pronto”, informou Liliane Menegotto.

 

TEXTO: Leandro Cipriano, da Agência Saúde