Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
13/11/13 às 16h40 - Atualizado em 30/10/18 às 15h09

Saúde oferece oficinas de arte na assistência psicossocial

COMPARTILHAR

CAPS AD da Rodoviária do Plano Piloto oferece variadas oficinas para os pacientes

O Centro de Atenção Psicossocial Álcool e Drogas (CAPS AD III) da Rodoviária do Plano Piloto promove oficinas de informação e recreação para usuários de drogas e dependentes de álcool que querem se livrar dos vícios. O principal objetivo das atividades é, segundo a gerência da unidade, torna-las “mais atrativas que o álcool e as drogas”.

Segundo Leandro Ameida, gerente substituto do Centro, oferecer diversas atividades garante que um maior número de dependentes do álcool e das drogas queira se tratar.

São oficinas de música, artesanato, auto-cuidado, sexualidade, estimulação e senso cognitivo, beleza, preparação para o mercado de trabalho e tabagismo. “A maioria é realizada por próprios servidores da Secretaria de Saúde (SES). O nosso engajamento, dentro da SES, é o que faz toda diferença na vida dessas pessoas que, até então, não teriam a menor esperança”, diz Leandro.

Carlos Roberto, 27 anos, é morador de Monte Alto, no Entorno de Brasília. Lá, ele teve os primeiros acessos às drogas bem cedo. Ele conta que há três meses, quando percebeu que estava perdendo o vínculo com a família e os amigos, resolveu procurar ajuda. “Eu me internei por conta própria. O prazer de usar a droga nunca vai superar a alegria de ter o respeito da minha família e dos meus amigos”, desabafa. Carlos, que é cantor e compositor de RAP, participa diariamente das oficinas e se interessa mais pela de música. “Quando eu tiver alta, quero gravar um CD que eu já até sei o nome que terá: Recomeço”, completa.

O tempo para o tratamento varia de acordo com a aceitação de cada paciente. Leandro conta que quem mais resiste à mudança, geralmente fica mais tempo sem conseguir alta. “É necessário que haja, também, força de vontade do paciente para que o nosso trabalho seja bem sucedido”, explica.

CAPS AD III

A unidade, que funciona desde 2011, atende em média 80 pessoas por dia. Leandro explica que a diferença do Centro da Rodoviária para os demais do DF é o tipo de atendimento, que funciona 24h por dia. Uma equipe multidisciplinar preparada para lidar com os mais variados casos compõe o corpo de profissionais do CAPS, todos eles habilitados para realizar os procedimentos emergenciais que possam aparecer.

Existem três formas de procurar a ajuda: por internação espontânea, decisão judicial ou solicitação da família. O DF conta com outros cinco Centros além do CAPS III da Rodoviária do Plano Piloto. Eles estão localizados no Guará, Paranoá, Riacho Fundo, Sobradinho e Taguatinga.

Quem se interessar em procurar a ajuda, deve procurar o CAPS mais próximo de sua área de abrangência ou ligar nos telefones:
– 3348-6199 (Diretoria de Saúde Mental)
– 3226-4631 (CAPS AD III – Rodoviária do Plano Piloto)

Por Lucas Carvalho, da Agência Saúde DF
Atendimento à Imprensa
(61) 3348-2547/2539 e 9862-9226