Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
30/01/20 às 14h49 - Atualizado em 31/01/20 às 8h19

Serviço de Verificação de Óbitos completa um ano

Foram realizados 1.468 remoções, 300 necropsias e 1.968 atendimentos às famílias

 

Desde 26 de janeiro de 2019, a remoção de cadáveres, em decorrência de morte natural em residência e via pública, antes feita pelo IML, passou a ser efetuada integralmente pelo Serviço de Verificação de Óbitos (SVO). Neste primeiro ano, foram realizados 1.468 remoções de corpos, 300 necropsias e cerca de 1.968 atendimentos a famílias.

 

O registro da ocorrência policial continua mantido, sendo que cabe às delegacias avaliar cada caso, comunicando ao SVO os óbitos de causa natural e ao IML os óbitos de causa violenta ou suspeita. O serviço funciona 24 horas por dia, com equipes formadas por seis técnicos de laboratório, quatro médicos, um técnico de patologia clínica, nove auxiliares operacionais de serviços diversos e seis motoristas.

 

A equipe do SVO, no momento da remoção, passa orientações aos familiares sobre os procedimentos a serem adotados, entre eles, o comparecimento ao SVO para recebimento de exames do corpo e a autorização de necropsia. Para este procedimento é necessário agendamento prévio pelo telefone: 99249-9367. Os trabalhos internos ficam centralizados no Hospital Regional de Ceilândia.

 

“Completando um ano de remoções, o SVO oferece à população do Distrito Federal um serviço desconhecido por muitos. A rotina de trabalho dos funcionários do SVO é permeada por dor e desespero por parte das pessoas que lamentavelmente enfrentam o falecimento de um familiar ou de um amigo. Nesse momento difícil, contam com o apoio de quem trabalha no SVO”, ressalta Sonia Maria Pereira dos Santos, auxiliar operacional de patologia clínica.

 

Agora, em 2020, também já estão sendo realizadas as remoções de corpos nos hospitais e em outros estabelecimentos da rede pública, que serão submetidos a necropsia no SVO, respeitando os critérios estabelecidos: doenças de notificação compulsória, casos sem definição de causa básica e com atendimento igual ou menor que 24 horas, sem diagnostico.

 

“A facilidade na investigação epidemiológica de casos suspeitos de doenças de notificação compulsória e a agilidade nas ações de saúde já justificam a importância do serviço. O acolhimento e o diálogo da nossa equipe com os familiares é um notório ganho e conforto nesta hora da perda”, enfatiza a chefe do Serviço de Verificação de Óbito, Aurea Cherulli.

 

Carolina Pedroza – Agência Saúde

Fotos Mariana Raphael/Arquivo-SES