Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
14/04/14 às 21h00 - Atualizado em 30/10/18 às 15h10

Hospital de Taguatinga inaugura biblioteca infantil

COMPARTILHAR

Quatro mil crianças serão beneficiadas mensalmente

O Hospital Regional de Saúde de Taguatinga (HRT), em parceria com o Rotary Club de Taguatinga Sul, inaugurou a biblioteca infanto-juvenil nesta segunda-feira (14). A biblioteca tem como objetivo oferecer às crianças e adolescentes materiais com fins didáticos e lúdicos que servirão de apoio terapêutico no tratamento psicológico. Mensalmente, mais de quatro mil crianças são atendidas no hospital.

“Esse serviço será muito importante para ajudar as crianças, elas vão brincar e aprender ao mesmo tempo com os psicólogos do hospital”, declara Maria Zenilda Souza, mãe dos pequenos, Enzo e Thiago, que inauguram o atendimento.

“Gradativamente, estamos promovendo ações que associem a qualificação técnica dos nossos profissionais à qualidade dos serviços prestados. Desta forma, a biblioteca auxiliará os nossos psicólogos a realizar o tratamento voltado ao desenvolvimento da criatividade dos pacientes”, disse o coordenador-geral de Saúde de Taguatinga, Otávio Augusto de Siqueira.

“Estamos muito felizes com a parceria do Rotary, pois essa contribuição lúdica auxiliará em uma resposta terapêutica mais eficiente no tratamento dos pacientes”, disse o coordenador de Psicologia do HRT, Carlos Alberto de Araújo.

Para a presidente do Rotary Club de Taguatinga Sul, Aldenira Barbosa Cavalcante, é fundamental apoiar ações que promovam a qualidade do tratamento dos doentes. “Esta parceria está prevista no cronograma deste ano, ficamos contentes, pois incentivaremos o aprendizado em um momento em que as crianças estão internadas”, destaca a presidente.

A unidade foi instalada no Programa Azaléia (PAV), localizada no ambulatório do hospital e disponibilizará aos pacientes, entre 0 e 17 anos, 500 unidades de materiais escolares, como livros, revistas, giz de cera, lápis de cor, entre outros.

Além das crianças que sofreram violência doméstica e sexual, pacientes de outras clínicas poderão utilizar o acervo, tais como: ortopedia, clínica médica e cirúrgica.

Por Claudete Nascimento, da Agência Saúde DF