Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
27/01/15 às 18h38 - Atualizado em 30/10/18 às 15h11

Unidades de saúde começam a receber medicamentos e insumos

COMPARTILHAR

Neste mês, R$ 12,1 milhões foram investidos nestas aquisições

BRASÍLIA (27/1/15) – O reabastecimento das unidades de saúde do Distrito Federal começa a ser normalizado. Desde o início do ano já foram investidos R$ 12,1 milhões em compra de medicamentos e insumos. A farmácia central já recebeu aproximadamente 382 medicamentos, entre eles, remédios para tratamento de câncer e antibióticos.

“O abastecimento está tendo uma regularização progressiva. Assim que o medicamentos ou insumos chegam, já são encaminhados para as unidades de saúde”, observa a farmacêutica da Subsecretaria de Atenção à Saúde, Gláucia Silveira Carvalho.

Nesta terça-feira (27), a farmácia recebeu um carregamento do antibiótico meropenem. Na segunda-feira (26), houve a entrega de 1.650 unidades de Atracúrio, utilizado como auxiliar em cirurgias e entubação endotraqueal. Na última sexta-feira (23), houve a entrega de 15.080 bolsas de antibacteriano metronidazol, além de diversos insumos.

“Tudo que está em falta, ainda, já está com processo de compra em andamento, incluindo os remédios de alto custo. Todo o esforço é para que o paciente passe menos tempo possível sem o medicamento”, destaca Gláucia Carvalho.

A previsão da Secretaria de Saúde é de que o restabelecimento do abastecimento ocorra em pelo menos três meses, de modo que não faltem itens básicos nas unidades de saúde.

FISCALIZAÇÃO – Uma Comissão de Recebimento e Acompanhamento de Distribuição de Medicamentos foi criada para intensificar estas fiscalizações, principalmente, das compras mais vultosas de medicamentos e insumos adquiridos. A medida, realizada por intermédio da Subsecretaria de Administração Geral (SUAG), também permitirá o acompanhamento da entrega dos itens nas unidades da rede.

Outra melhoria prevista é a individualização das doses, em que a Farmácia Central distribuirá os remédios com base no número de pacientes internados. Com isso, a quantidade de medicamentos será exata e, caso o paciente receba alta antes do previsto, o remédio retornará para a Farmácia Central, melhorando o racionamento do uso dos medicamentos.