Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
9/06/21 às 15h42 - Atualizado em 9/06/21 às 17h35

Vacinas contra a covid-19 chegam ao DF com destinação recomendada

COMPARTILHAR

DF segue a previsão do Ministério da Saúde para vacinar os grupos prioritários

 

JURANA LOPES, CRISTINA SOARES, DA AGÊNCIA SAÚDE-DF

 

A cada remessa de vacinas que a Secretaria de Saúde recebe da União, uma nota técnica orientando sobre o uso do insumo direciona o quantitativo de vacinas que determinados públicos-alvo receberão. Como exemplo, as 47.250 doses da vacina AstraZeneca, recebidas na manhã desta quarta-feira (9), vieram com a orientação para uso como primeiras doses.

 

Vacina AstraZeneca produzida pela Fundação Oswaldo Cruz – Foto: Geovana Albuquerque/Agência Saúde-DF

“As doses chegam acompanhadas de uma nota técnica enviada pelo Ministério da Saúde, com orientações acerca dos grupos prioritários que devem ser atendidos. Depois disso, o Comitê de Operacionalização da Vacinação contra a Covid-19 no DF reúne-se para discutir a ampliação da vacinação de acordo com as doses que chegam”, explica a chefe do Núcleo da Rede de Frio, Tereza Luiza Pereira.

 

As doses recebidas na Pfizer/BioNTech na última segunda (7), e a remessa da AstraZeneca recebida hoje (9), já estão com a programação concluída para atendimento dos grupos de Comorbidades e Pessoas com Deficiência Permanente, Trabalhadores de Educação do Ensino Básico, forças de segurança e salvamento, Forças Armadas e funcionários do sistema de transporte aeroportuário. Desta forma, será possível também ampliar a faixa etária.

 

“Cada dose tem o destino certo para os brasilienses. Todo o planejamento da vacinação é feito e calculado baseado na estimativa populacional do público alvo vigente. Por isso, após cada chegada de vacina o Comitê se reúne para decidir e planejar a estratégia de vacinação que será implantada”, destaca.

 

Fluxo

 

Primeiro as doses são recebidas na Rede de Frio Central e depois são distribuídas para as Regiões de Saúde, que por sua vez as encaminham para os pontos de vacinação de sua região para atender ao público estimado que deve buscar a dose naquele ponto.

 

Vacina AstraZeneca é aplicada com intervalo de 90 dias entre as doses – Foto: Geovana Albuquerque/Agência Saúde-DF

“O agendamento tem possibilitado uma vacinação de forma mais planejada. No entanto, o que tem observado é que as pessoas estão agendando as doses, mas não estão indo buscar a vacina, ou até chegam ao posto, mas não querem a vacina que está disponível. Por isso, para dar celeridade ao processo vacinal, o prazo aberto para que a pessoa que agendou retorne à unidade foi diminuído para cinco dias”, explica o subsecretário de Vigilância à Saúde, Divino Valero.

 

Nas últimas semanas têm-se observado ainda que o público de comorbidades e de pessoas com deficiência está realizando pouco agendamento. O Ministério da Saúde envia as doses para cada público de acordo com a estimativa populacional do Distrito Federal para cada grupo. Na semana passada foi aberto o agendamento de pessoas com deficiência sem cadastro no BPC, a estimativa é que esse público no DF seja de 80 mil pessoas. Para esta primeira fase de atendimento deste público foram destinadas 15 mil doses, no entanto, somente 3,5 mil realizaram o agendamento.

 

Com a possibilidade pelo Ministério da Saúde, por meio de uma Nota Técnica, de que estados com baixa procura possam avançar nas idades, o DF adotou a estratégia de, considerando a baixa procura dos grupos vigentes, remanejar as doses para a população em geral abaixo de 59 anos. Com isso, hoje as pessoas de 59 e 58 anos já podem agendar suas vacinas. Enquanto isso, os demais grupos para quem o Ministério da Saúde está enviando as doses continuam também sendo atendidos.