Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
10/05/21 às 17h42 - Atualizado em 10/05/21 às 17h53

Vale a pena esperar a chegada de determinada vacina?

COMPARTILHAR

Todas as vacinas têm eficácia comprovada e garantem proteção contra a covid-19; por isso, o importante é vacinar!

 

JOHNNY BRAGA, DA AGÊNCIA SAÚDE-DF

 

 

AstraZeneca, CoronaVac ou Pfizer BioNTech? Qual delas é melhor? Devo esperar o local de vacinação ter determinada vacina? Muito se questiona sobre a qualidade e eficácia das três vacinas que previnem a covid-19 e são aplicadas atualmente no Brasil. A Secretaria de Saúde esclarece que todas possuem registro na Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e passaram por testes de qualidade e eficácia quanto ao nível de proteção oferecido contra o novo coronavírus.

 

“Nenhuma vacina é melhor que a outra. O cidadão tem que deixar esse pensamento de lado e se vacinar com a vacina que tem disponível no ponto de vacinação. Todas garantem proteção contra a covid-19 e, conforme temos observado, mês a mês, desde que a campanha de vacinação começou, tivemos uma redução significativa de internações e intubação de pacientes idosos nas UTIs. Essa queda está associada ao processo de vacinação que já contemplou todas as faixas etárias com 60 anos ou mais”, destaca a secretária adjunta de Assistência à Saúde, Raquel Beviláqua.

 

 

A secretária enfatiza a campanha lançada nesta semana pela Secretaria de Saúde: “Não importa a marca, o importante é vacinar”. “Como não temos vacina para todos, é importante que o cidadão que já adquiriu o direito de ser vacinado procure o quanto antes a unidade de vacinação, nos casos de quem tem mais de 60 anos; e as pessoas com comorbidades precisam se cadastrar no site e agendar a vacinação conforme a abertura de novas vagas. Só assim vamos vencer o coronavírus”, explica.

 

Em vídeo, a secretária Raquel Beviláqua explica orienta a população a procurar a sala de vacina independentemente da marca. Veja:

 

 

Segurança e eficácia

 

A vacina AstraZeneca/Fiocruz tem eficácia de 79% na prevenção da covid-19, em casos sintomáticos, e 100% de eficácia na prevenção de doenças graves e hospitalização. Segundo comunicado da farmacêutica AstraZeneca, a eficácia da vacina foi comprovada em todas as etnias e idades. Em participantes com 65 anos ou mais, a eficácia da vacina foi de 80%. Os dados reforçam os estudos clínicos anteriores, realizados em outros países, e que já haviam sido publicados em estudos revisados por pares.

 

A CoronaVac, segundo estudo desenvolvido pelo Instituto Butantan (que fabrica a vacina no Brasil), mostrou eficácia global de até 62,3% quando a segunda é aplicada em um intervalo de até 28 dias. Os primeiros estudos revelavam eficácia de 50,38% quando a D2 era aplicada 14 dias após a D1. Além disso, a vacina chinesa tem eficácia que pode variar entre 83,7 e 100% para casos moderados, que exigem assistência médica, mas que não chegam a necessitar de internação com cuidados intensivos.

 

A vacina da farmacêutica norte-americana Pfizer produzida em parceria com o laboratório alemão BioNTech oferece mais de 95% de proteção contra a covid-19, seja pela infecção pela doença ou internação. Os resultados foram obtidos através de um estudo publicado pela revista The Lancet feito com base em dados da campanha de vacinação em Israel – país que usou apenas o imunizante Pfizer/BioNTech.

 

Disponibilidade na rede pública

 

A distribuição das vacinas ocorre de acordo com os lotes recebidos pelo Programa Nacional de Imunização (PNI). A medida que o DF recebe os imunizantes, eles são disponibilizados, conforme recomendação técnica, para cada ponto de vacinação. Muito foi questionado, nos últimos dias, sobre o fato de a vacina Pfizer/BioNTech não ter sido disponibilizada nos pontos de vacinação assim que chegou.

 

A Secretaria de Saúde informou que elas começaram a ser utilizadas nesta segunda-feira (10) e que não houve qualquer desabastecimento que motivasse o uso imediato. O envio aos postos ocorre de maneira programada, conforme previsão de público e agendamentos pelo site, para evitar possíveis desabastecimentos; assim como ocorreu com a logística e distribuição das doses da CoronaVac, quando o DF não aplicou todas as vacinas disponíveis, reservou quantidade para D2 e não atrasou a aplicação do reforço em quem iniciou o esquema vacinal na capital federal.

 

Desde janeiro, as equipes de vacinação têm sido treinadas para preparar e aplicar o imunizante que, diferente da AstraZeneca e CoronaVac, não chegam na forma líquida. Os frascos contêm um pó liofilizado congelado que precisa ser diluído em uma solução líquida e agitados de forma bem específica e cuidadosa, conforme orienta o fabricante. Após a diluição, os imunobiológicos devem ser utilizados por um período de no máximo 6 horas e conservados em temperatura de 2°C a 8°C.

 

Por fim, a pasta esclarece que as equipes estão preparadas para aplicação do imunizante e reforça que a população procure as unidades independentemente da marca do imunizante e não espere o local ser abastecido por uma determinada vacina. Todas cumprem seu papel em oferecer proteção contra a covid-19.

 

GALERIA DE FOTOS:

 

Não importa a marca, o importante é vacinar