Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
4/02/20 às 15h33 - Atualizado em 4/02/20 às 15h45

Vigilância Ambiental visita residências para detectar focos da dengue

Objetivo é colher informações para traçar novas estratégias

 

As equipes de Vigilância Ambiental da Secretaria de Saúde iniciaram as visitas domiciliares em vários pontos do Distrito Federal. O objetivo é detectar focos do mosquito transmissor da dengue e colher informações para o Levantamento Rápido de Índices de Infestação pelo Aedes aegypti (LIRAa) – documento previsto para ser lançado neste mês. Com os dados, será possível traçar novas estratégias regionais, aumentando a efetividade das ações.

 

“Ao fazer esse trabalho de campo inicial, localizam-se os focos, coleta e leva para teste em laboratório. Com base nos resultados e em um relatório minucioso do LIRAa, é informado quais os maiores pontos de infestação e onde é mais necessário atuar”, informou o gerente da Vigilância Ambiental de Vetores e Animais Peçonhentos e Ações de Campo, Reginaldo Braga.

 

Uma das residências visitadas foi a do aposentado Ribamar Costa, no Núcleo de Chácaras da Vila Planalto. Apesar de cuidar para evitar focos do mosquito, os agentes de campo detectaram possíveis larvas do Aedes na caixa d’água e em um balde. As amostras serão levadas para análise.

 

Somente a possibilidade de ter a presença do mosquito já foi o suficiente para Ribamar se prevenir ainda mais. “Foi muito importante a vinda deles, até para esclarecem mais sobre como evitar a presença do mosquito. Agora vou limpar e tirar a caixa d’água para não acumular mais água nenhuma”, comentou.

 

Averiguar possíveis focos do mosquito nas residências precisa ser um hábito constante e semanal, especialmente no período de chuvas, alerta a chefe substituta do Núcleo Regional de Vigilância Ambiental Norte, Ana Guedes. “Medidas simples e rotineiras podem ajudar a prevenir e manter a população segura”, ressaltou.

 

Entre elas, é importante lembrar de tampar os tonéis e caixa d’água, manter calhas sempre limpas, deixar garrafas sempre viradas com a boca para baixo, manter lixeiras bem tampadas, deixar ralos limpos e com aplicação de tela, limpar semanalmente ou preencher pratos de vasos de plantas com areia e retirar água acumulada na área de serviço.

 

DADOS – O LIRAa é divulgado trimestralmente pela Secretaria de Saúde para informar os índices de infestação do Aedes, sempre nos meses de fevereiro, maio, agosto e novembro. No consolidado dos primeiros nove meses do ano passado, 834.449 imóveis foram inspecionados – quase 92 mil a mais que no mesmo período em 2018.

 

O uso de fumacê também foi intensificado em 2019: foram 989.526 aplicações do insumo contra 62.855 em 2018; e 39.528 aplicações de UBV costal contra 19.625, em 2018. Além disso, foram instaladas 1.354 armadilhas no período. É importante destacar que o DF está abastecido com o inseticida, garantindo a segurança da população.

 

 

Leandro Cipriano, da Agência Saúde
Fotos: Geovana Albuquerque/Saúde-DF