Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
20/11/12 às 19h02 - Atualizado em 30/10/18 às 14h57

Hemocentro acolhe pacientes com Coagulopatias Hereditárias

COMPARTILHAR

Atendimento multiprofissional e  medicamento em casa

O ambulatório do Hemocentro – espaço adequado para atendimento a portadores de Coagulopatias Hereditárias – realizou 345 atendimentos desde o início do funcionamento, em agosto deste ano, até o dia 30 de setembro. Neste total estão incluídas 135 consultas com médico hematologista, 62 consultas de enfermagem, 34 com o serviço social, 83 coletas de sangue para exames de hemostasia (testes necessários para um bom acompanhamento dos pacientes) e 31 infusões de fatores no serviço.

Além do atendimento com médicos especializados, no ambulatório do Hemocentro os pacientes são acompanhados por profissionais de outras categorias e realizam exames de laboratório que dão suporte ao  tratamento.  “Queremos que o paciente sinta-se acolhido e que possa tirar dúvidas sobre o tratamento, além de receber informações sobre autocuidado, aprender como realizar a infusão de fatores de coagulação e como acondicionar seus medicamentos, com profissionais capacitados que compõem uma equipe de mais de 15 servidores públicos concursados nas diversas áreas da saúde”, diz o Dr. José Antônio de Faria Vilaça, diretor técnico do Hemocentro. De acordo com ele, para oferecer o melhor serviço possível foram feitas adaptações na área física e pelo menos um consultório foi montado para cada um dos profissionais de saúde, médicos, enfermeiras, farmacêuticos, assistentes sociais, além de consultório multiuso para o ambulatório itinerante de especialidades não permanentes, como ortopedia, nutrição que também atendem pacientes com coagulopatias no ambulatório multiprofissional.  

Avanços
Desde que a Secretaria de Estado de Saúde do Distrito Federal (SES/DF) delegou à Fundação Hemocentro de Brasília (FHB) a competência para responder às falhas apontadas pelo Relatório 10.079 do Denasus – Departamento Nacional de Auditorias do SUS –  e às recomendações constantes na Decisão nº 6503 do TCDF, sobre o atendimento ao paciente com coagulopatias hereditárias, muitas ações foram realizadas. A primeira foi a  atualização do cadastro dos pacientes, para conhecimento do universo que  seria acolhido na  unidade e, a partir disso,  planejar as ações.

Logo após o início deste recadastramento, em maio, começaram as visitas domiciliares aos usuários. Um assistente social e uma farmacêutica da FHB identificaram  nessas visitas 41 pacientes em situação de vulnerabilidade psicossocial, que não estavam sendo acompanhados regularmente e 40 pacientes ou responsáveis que solicitaram treinamento para infusão. “Encaminhamos os pacientes em vulnerabilidade psicossocial para as Secretarias de Estado competentes, agendamos o acompanhamento dos outros que não estavam sendo atendidos regularmente e promovemos treinamentos de infusão para os que nos solicitaram. Hoje, nossos técnicos fazem dispensação domiciliar à maioria dos pacientes (graves e  moderados, em profilaxia, residentes no DF), num total de 83 pacientes, o que lhes proporciona conforto e segurança”, diz o diretor técnico do Hemocentro.

A cada entrega domiciliar os técnicos repassam informações sobre o acondicionamento correto dos fatores, procuram saber dados sobre a saúde do paciente e recolhem os frascos e materiais perfurocortantes utilizados (o  resíduo hospitalar).  Os outros pacientes graves que não são contemplados com a dispensação domiciliar optaram por buscar a medicação na própria FHB, informou Amanda Berg, técnica de enfermagem.

Transporte
A Fundação Hemocentro de Brasília, hoje responsável por coordenar e regular a Atenção Integral ao Pacientes com Coagulopatias Hereditárias, conforme Portaria SES nº 162, de 9 de agosto de 2012, continua em processo de buscar meios que melhorem o atendimento ao usuário. Para facilitar o acesso ao ambulatório do Hemocentro, a FHB  colocou à disposição dos pacientes um transporte que faz o percurso Rodoviária do Plano Piloto–Hemocentro-Rodoviária do Plano Piloto, de 2ª a 6ª feira, das 8hàs 18h.

Lena Nardelli