Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
27/06/13 às 19h44 - Atualizado em 30/10/18 às 15h06

Atenção domiciliar desocupa 707 leitos em hospitais públicos

COMPARTILHAR

Pacientes recebem assistência de qualidade em casa

Dos 1.010 pacientes atendidos pela Atenção Domiciliar da Secretaria de Saúde, 707 ocupariam leitos dos hospitais da rede pública do DF, se não houvesse o serviço de atendimento em casa, prestado em todas as 15 regionais.

Para a gerente da Atenção Domiciliar, Maria Leopoldina de Castro Villas Bôas, o serviço,” além de oferecer qualidade de vida ao paciente, disponibiliza leitos na medida que assiste em casa doentes crônicos, acamados, que estariam hospitalizados”.

De acordo com a gerente, o programa, que recebe recursos por meio de credenciamento de equipes pelo Ministério da Saúde, além de liberar leitos hospitalares, permite economia na hotelaria e diminuição das re-internações e infecções hospitalares.

O serviço de Atenção Domiciliar da Secretaria de Saúde é composto por 15 núcleos regionais, que podem coordenar mais de uma equipe multidisciplinar, formada por médico, enfermeiro, técnico/auxiliar de enfermagem, fisioterapeuta e/ou assistente social.

O núcleo regional, segundo Leopoldina, conta com equipe de apoio, formada por nutricionista, terapeuta ocupacional, psicólogo e outros profissionais necessários ao atendimento de pacientes específicos em uma das regiões.

A região é assistida de acordo com a necessidade, como explica Leopoldina, ao relatar que o núcleo poderá ter mais de uma equipe quando a área de abrangência tiver mais de 100 mil habitantes, total de cobertura para cada uma.

Entre os pacientes classificados para atenção domiciliar, estão os com sequelas e co-morbidades como úlceras de decúbito de vários graus, traqueostomia, em cuidados paliativos oncológico, neurológico; e os pacientes em oxigenoterapia domiciliar, com perfis diversos.

Não fazem parte da modalidade assistencial domiciliar pacientes com necessidade de ventilação mecânica invasiva – respirardor – e enfermagem intensiva (24 horas), de atenção domiciliar de alta complexidade, assistidos pelo homecare, serviço já contratado pela SES/DF para esse atendimento específico.

Luciene Torquato