Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
12/11/12 às 17h44 - Atualizado em 30/10/18 às 14h57

Balanço das ações nas regionais de saúde

COMPARTILHAR

UPA e clínica da família melhoram atendimento a moradores do Recanto das Emas

A Secretaria de Saúde do Distrito Federal divulga semanalmente balanços das ações desenvolvidas pelas Coordenações Regionais de Saúde. O objetivo é informar, por meio de entrevistas com os coordenadores, os projetos em andamento, obras executadas e serviços implantados para melhorar o atendimento ao paciente.

Recanto das Emas

A Coordenação Geral de Saúde do Recanto das Emas passou por diversas mudanças nos últimos 19 meses. As equipes de Saúde da Família já tem local para o desenvolvimento de suas atividades. O número de terrenos para futuras instalações da Secretaria de Saúde passou de um para cinco. A UPA do Recanto das Emas foi inaugurada em Junho, após reforma da unidade e em breve será inaugurada, a Clínica da Família, para sete equipes, que atenderá a população da região.

As conquistas e melhorias nos sistema de Saúde do Recanto das Emas foram abordadas, em entrevista com o coordenador regional de Saúde, Fábio Alauri.

ASCOM – Como o senhor encontrou a regional?

Dr. Fábio – Encontrei uma regional de saúde com serviços de atenção primária realizados em dois centros de Saúde, no modelo tradicional, e em dez equipes no modelo da Estratégia Saúde da Família, seis completas e quatro incompletas (sem profissional médico), três na zona rural e sete na zona urbana. Destas sete urbanas, apenas três com local para atendimento.

A Coordenação da regional ocupava o mesmo prédio de um dos centros de saúde. O prédio destinado à Unidade de Pronto Atendimento (UPA) estava pronto, porém necessitava de uma grande reforma, para permitir a inauguração. Na cidade existe apenas um terreno na carga da Secretaria de Saúde, o que seria um impedimento para construção de novas unidades.

Além disso, encontrei dados referentes à alta taxa de mortalidade por doenças do aparelho cardiovascular, mortalidade infantil de 17,2, sendo a média do DF de 11,9; alta demanda por consultas de especialidades médicas, especialmente ortopedia, cirurgia, psiquiatria. Sem falar, nos servidores descrentes e desmotivados.

ASCOM – Destaque as primeiras providências tomadas ao assumir a direção da Coordenação Geral de Saúde do Recanto das Emas?

Dr. Fábio – As primeiras intervenções foram junto aos servidores. Realizamos reuniões nas várias unidades, oficinas de dois dias com todos os servidores e mais dois meses de oficinas, com aproximadamente 30 servidores. O propósito era resgatar os princípios e diretrizes do SUS, da atenção primária, identificar as principais dificuldades, classificá-las se eram da competência dos trabalhadores ou da gestão enfrentá-las e propor ações.

Entre estas ações podemos destacar movimentação para reforma da UPA e inauguração; identificação de terrenos para ampliação da Atenção Primária por meio da Saúde da Família; identificação de lugares provisórios para que as equipes “sem teto” trabalhassem; contatos com outros setores da cidade, especialmente Administração Regional do Recanto das Emas.

ASCOM – Dentre estas questões quais os resultados práticos?

Dr. Fábio – Todas as Equipes de Saúde da Família tem lugar para realizar seu trabalho, espaços cedidos pela administração, no Centro Olímpico, em escolas; UPA inaugurada em junho; conquista de cinco terrenos já na carga da Secretaria de Saúde, dois destes com início de obras previsto ainda para agosto; construção de 1 Clinica da Família para sete equipes com inauguração prevista para este mês.

Outro resultado imediato foi a conversão de um centro de saúde modelo tradicional para Saúde da Família, formando mais seis equipes, totalizando 16 equipes de Saúde da Família, que cobrem 44% da população do Recanto, com Equipes de Saúde da Família. Destas 16 equipes, dez possuem equipe de Saúde Bucal.

Além disso, conseguimos reduzir a taxa de mortalidade.

Em 2010 no Recanto a taxa de mortalidade foi de 17,7,enquanto a média no DF foi de 12,6 –

Em 2011 no Recanto foi 11,4 e a média no DF foi de 11,5

Nosso objetivo é fazer com que as Equipes de Saúde da Família atendam 100% da população local, além de implantar um Centro de Atenção Psicossocial – CAPS – para o público infantil do Recanto das Emas.

ASCOM – Quais os problemas que ainda persistem?

Dr. Fábio – Alta demanda por consultas de especialidades médicas; a indefinição de terreno para construção de clínica da família nas quadras 800; melhoria do fluxo para internação hospitalar em especial por causas cirúrgicas; mudança da coordenação regional para outro espaço do Centro de Saúde; e indefinição de aluguel de imóvel na zona rural.

ASCOM – Quais os avanços na regional em 19 meses desta gestão?

Dr. Fábio – A construção de clínica da família para sete equipes; a ampliação de 16 equipes completas e 10 com saúde bucal; a inauguração da UPA: contratação de servidores, equipamentos para radiologia e laboratório. Sem falar da informatização de toda regional e do serviço de manutenção predial das unidades de saúde da zona urbana.

ASCOM – Quais os projetos futuros para a regional?

Dr. Fábio – Cobertura de 100% da população com Equipes de Saúde da Família; construção de Academia da Saúde; implantação de Centros de Especialidade Odontológica; implantação de CAPS infantil, transtorno e álcool e drogas; construção de bloco administrativo e implantação de serviço de ambulatórios de especialidades médicas.