Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
25/02/19 às 9h36 - Atualizado em 25/02/19 às 10h00

Bloco de carnaval promove socialização de pessoas com transtornos mentais

COMPARTILHAR

 

 

O Centro de Atenção Psicossocial (Caps) II de Taguatinga promoverá a terceira edição do “Amai-vos uns aos loucos”, um bloco carnavalesco destinado a promover a inclusão social de pessoas com transtornos mentais, utilizando-se da maior festa popular do Brasil. O bloco sairá da Praça do Relógio, fazendo o percurso até o Caps II, a partir das 15h do dia 27/2.

 

Os organizadores do bloco estimam a participação de 500 foliões, contando com a participação de gestores, servidores, residentes multiprofissionais, usuários, familiares e comunidade em geral.

 

“É um evento importante, uma forma de propiciar lazer, compartilhamento, alegria, que possibilita a socialização de pessoas excluídas, ao mesmo tempo em que o carnaval de rua dá visibilidade à temática da saúde mental para a população em geral”, destaca o proponente do evento, Gustavo Murici Nepomuceno.

 

A primeira edição ocorreu em 2017 e, no ano seguinte, o bloco já aumentou de tamanho. “A segunda edição foi um sucesso ainda maior, envolvendo 400 pessoas”, recorda Gustavo sobre o evento, organizando em parceria com o Hospital São Vicente de Paulo, o Programa de Residência Multiprofissional em Saúde Mental do Adulto e outros Caps do Distrito Federal. A atividade conta com recursos da Secretaria da Cultura e o apoio da Secretaria de Saúde do DF.

 

O QUE SÃO OS CAPS – Os Centros de Atenção Psicossocial foram criados para substituir as internações em hospitais psiquiátricos (Portaria GM nº 336/2002), e para se tornarem um lugar de referência e tratamento para pessoas que sofrem com transtornos mentais.

 

Seu objetivo é oferecer atendimento à população de abrangência e apoio à reinserção social dos usuários pelo acesso ao trabalho, lazer, exercício dos direitos civis e fortalecimento dos laços familiares e comunitários.

O Caps II de Taguatinga existe desde 2006 e realiza cerca 3 mil atendimentos por mês.

 

 

Josiane Canterle, da Agência Saúde

Fotos: Mariana Raphael/Saúde-DF