Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
23/04/21 às 17h33 - Atualizado em 23/04/21 às 17h49

Casos de dengue no DF continuam em queda e sem registro de óbitos neste ano

COMPARTILHAR

Redução é de 81% comparando o período de janeiro a abril de 2020 e 2021

 

JOHNNY BRAGA, DA AGÊNCIA SAÚDE-DF

 

De janeiro a abril, a Secretaria de Saúde registrou 3.590 casos prováveis de dengue no Distrito Federal e nenhum óbito ocasionado pela doença. O número de novos casos é 81% menor que o total de registros no mesmo período do ano passado. Na época, foram registrados 18.868 casos da doença causada pelo mosquito Aedes aegypti.

 

 

Os dados foram divulgados nesta sexta-feira (23) no último informativo epidemiológico divulgado no site da pasta. Eles englobam o período de 3 de janeiro a 10 de abril. A Subsecretaria de Vigilância à Saúde faz o monitoramento das cepas do vírus causador da dengue. Ao todo, foram feitas 14 análises laboratoriais para detectar o subtipo do vírus circulante no DF. Segundo o Laboratório Central de Saúde Pública do DF, o DenV-1 é o subtipo em circulação na capital federal.

 

Em 2020, o DenV-1 predominou, sendo detectado em 92,6% das amostras analisadas, e o Denv-2, em 7,4%. Segundo a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), o vírus da dengue apresenta quatro sorotipos, em geral, denominados DenV-1, DenV-2, DenV-3 e DenV-4. Esses também são classificados como arbovírus, ou seja, são normalmente transmitidos por mosquitos.

 

No Brasil, os vírus da dengue são transmitidos pela fêmea do mosquito Aedes aegypti (quando também infectada pelos vírus) e podem causar tanto a manifestação clássica da doença quanto a forma considerada hemorrágica.

 

Casos por Região de Saúde

 

A Região de Saúde Norte apresentou o maior percentual de casos prováveis de dengue neste ano. Do total de notificações, 37,9% foram na região norte do DF (Planaltina e Sobradinho). Em segundo lugar a Região de Saúde Sudoeste (Taguatinga, Samambaia, Recanto das Emas, Águas Claras, Vicente Pires e Arniqueira), apresentou 15,3% das notificações.

 

Mosquitos Aedes aegypti capturados durante ação em Santa Maria – Foto: Geovana Albuquerque/Agência Saúde DF

Planaltina é a cidade com mais casos prováveis de dengue, com 727 notificações até o momento. Ceilândia, na Região Oeste, registrou 403 casos, seguida por Sobradinho com 318 casos. Sobradinho II e Samambaia registraram 298 e 183 casos, respectivamente. Juntas, essas cinco regiões somam 1.929 casos prováveis de dengue, ou seja, 53,7% do total de registros no DF.

 

Casos graves e óbitos

 

A Secretaria de Saúde registrou 36 casos de dengue com sinais de alarme. Isso se caracteriza quando o doente apresenta sintomas como dor abdominal intensa, vômitos persistentes, acúmulo de líquidos e hipotensão postural ou lipotímia.

 

Houve registro de dois casos graves e nenhum óbito. Em 2020, neste mesmo período, foram 17 mortes por dengue registradas no DF.

 

Queda

 

A queda nos indicadores reflete as ações intensificadas que a Secretaria de Saúde tem feito em todo o DF e, também, a colaboração de toda a população em manter a vigilância contra possíveis criadouros do Aedes aegypti.

 

Vistoria em imóvel feita pela equipe da Dival – Foto: Geovana Albuquerque/Agência Saúde DF

Somente nos três primeiros meses de 2021, a Diretoria de Vigilância Ambiental (Dival) vistoriou 306.279 imóveis no Distrito Federal. Desse total de casas visitadas, os agentes da Dival encontraram 26.520 amostras positivas de larvas do mosquito Aedes aegypti.

 

De acordo com técnicos da Secretaria de Saúde, para que os números e a incidência continuem caindo, é preciso que todos façam a sua parte no combate ao mosquito. Enquanto o poder público trabalha vistoriando as residências e eliminando criadouros, a população deve colaborar cobrindo as caixas d’água com tampa, colocando terra nos pratos de vasos de plantas, limpando calhas e fazendo o descarte correto de pneus.