Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
10/05/18 às 17h08 - Atualizado em 30/10/18 às 15h19

Dia D contra influenza será neste sábado (12) no DF

COMPARTILHAR

Informativo Gripe SE 18_2018

Em coletiva de imprensa, Secretaria de Saúde informou que 104 salas de vacina estarão disponíveis no Dia D – Foto: Matheus Oliveira

 

A Secretaria de Saúde anunciou, nesta quinta-feira (10), que o Dia D da campanha de vacinação contra a influenza será realizado no próximo sábado (12), das 8h às 17h. A expectativa é vacinar, no mínimo, aproximadamente 150 mil pessoas no Distrito Federal.

 

“Nesse dia, teremos 104 salas de vacina funcionando, e só vamos vacinar contra a influenza. As outras imunizações do calendário vacinal estarão disponíveis nos demais dias da campanha nacional, que ocorre durante a semana”, informou o secretário de Saúde, Humberto Fonseca, em coletiva de imprensa.

 

Ao longo da campanha, que começou em 23 de abril e vai até 1º de junho, o objetivo é vacinar 706.988 pessoas no DF. Até esta quarta-feira (9), já foram vacinadas 404.485 pessoas, o que corresponde a 57,2% da meta estabelecida. Os dados estão disponíveis no boletim da Semana Epidemiológica nº 18, apresentados na coletiva.

 

Conforme os dados, o grupo com maior procura foi o de idosos, com 157.435 vacinados – equivalente a 77,3% dos 203.639 indivíduos nessa faixa etária. Em segundo lugar ficaram os trabalhadores de saúde, com 61.751 imunizados, o que representa 62,7% do total de 98.547 profissionais.

 

COBERTURA BAIXA – De acordo com Humberto Fonseca, a cobertura vacinal nas crianças com até 5 anos ainda é considerada menor que a esperada pela pasta. Foram 68.075 vacinados, o que corresponde a 37,4% do público total de 181.956.

 

“Então, todas as crianças que tiverem entre seis meses e quatro anos, 11 meses e 29 dias, devem ser levados pelos pais às unidades básicas de saúde onde tenha vacinação”, informou o secretário. “Até porque temos, principalmente, em crianças abaixo de um ano, o maior risco de óbitos por síndrome gripal”, ressaltou.

 

Segundo o subsecretário de Vigilância à Saúde da pasta, Marcus Quito, as crianças com até 5 anos estão no grupo de risco por terem um sistema imunológico em formação e mais suscetível as doenças.

 

“Já que temos no DF 57% de cobertura na atualidade, a crianças ainda estão com uma porcentagem menor que outras faixas etárias no grupo de risco. Por isso a importância de no Dia D os pais se mobilizarem e levá-las para vacinar”, disse Quito.

 

PÚBLICO-ALVO – Em 2018, a meta é vacinar 90% de cada um dos grupos prioritários para a vacinação: trabalhadores de saúde, povos indígenas, crianças na faixa etária de seis meses a menores de cinco anos, gestantes em qualquer idade gestacional, puérperas (até 45 dias pós-parto), indivíduos com 60 anos ou mais de idade, pessoas portadoras de doenças crônicas e outras categorias de risco clínico, população privada de liberdade, funcionários do sistema prisional, adolescentes e jovens de 12 a 21 anos que estejam cumprindo medidas socioeducativas e professores das redes pública e privada.

 

“Temos vacina para todo o público-alvo. São mais de 700 mil doses da imunização”, garante o secretário de Saúde.

 

NÚMEROS – No DF, em 2018, até a semana epidemiológica 18, foram notificados 726 casos pela Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG), sendo 581 em moradores do Distrito Federal. Das notificações da SRAG em moradores do DF, 50,6% (294/581) dos casos foram positivos para vírus respiratórios, 6,0% (35/581) foram negativas para vírus respiratório e 23,4% (135/581) permanecem em investigação. Em 12,0% (70/581) dos casos não houve coleta.

 

Dos 294 casos positivos para vírus respiratórios, em 65,3% (192/294) foi isolado o vírus sincicial respiratório (VRS), em 13,3% (39/294) isolou-se o metapneumovírus, o vírus influenza A (H1N1) em 10,5% (31/294), o influenza A (H3N2) foi isolado em 3,1% (9/294) dos casos e o influenza B em 01,0% dos registros (3/294).

 

Até o momento, foram confirmados cinco óbitos de SRAG por vírus respiratório em moradores do DF, sendo três em crianças menores de um ano – um por metapneumovírus e dois pelo VSR. O quarto óbito foi de um adulto, causado pelo vírus influenza A (H1N1). Já o quinto óbito foi de um idoso, fumante e hipertenso, causado por adenovírus.

 

TEXTO: Leandro Cipriano, da Agência Saúde

 

Coletiva DIA D - 12/05/2018