Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
2/03/17 às 16h15 - Atualizado em 30/10/18 às 15h16

Docente da Escs cria laboratório com tecnologia sustentável

COMPARTILHAR

Local prepara futuros enfermeiros para situação reais

BRASÍLIA (02/03/2017) – O laboratório de simulação do Curso de Graduação de Enfermagem da Escola Superior de Ciências da Saúde (ESCS), unidade Samambaia, foi inaugurado em setembro de 2016, mas a ideia surgiu no início do ano passado depois que o docente do curso Creto da Silva, enfermeiro há 33 anos, viu em artigos científicos sobre a importância da simulação realística no processo de ensino na área da saúde. Apesar do alto custo de laboratórios de simulação, o docente e a Coordenação do Curso pensaram em alternativas com o objetivo de atender à demanda de ensino da Enfermagem, de forma eficiente e dentro do orçamento disponível.

Para isso, Silva, que trabalha assistindo à Unidade Intensiva do Hospital Regional de Taguatinga (HRT) há 31 anos, reutilizou alguns equipamentos da Unidade que haviam sidos descartados, além disso, contou com a doação de um monitor de computador pelos docentes de Enfermagem da ESCS, e com isso o improvisou para um monitor multiparamétrico, equipamento que está entre os mais requisitados no Brasil, sendo de uso universal e indispensável para qualquer instituição de saúde.

“O objetivo é que a simulação seja a mais próxima do real. Para tanto, foram gravados variados vídeos de traçados eletrocardiográficos e demais informações oferecidas pela monitorização multiparamétrica na UTI do HRT”, enfatizou o docente.

O aprendizado é constatado nas práticas dos estudantes. Este é o caso do discente do último ano de Enfermagem da ESCS Alan Willis, de 20 anos. “A simulação acontece de forma bem real, o professor avalia por meio da câmera na sala ao lado todas as nossas ações e pelo sistema de áudio vai pedindo para realizarmos procedimentos específicos de acordo com cada tipo de internação. Além disso, o manequim parece bem real porque o professor através do áudio se passa pelo paciente. É um treinamento que ajuda a ter mais segurança e confiança na hora em que vamos praticar na assistência sob a supervisão dos preceptores”, disse Willis.

O laboratório possui um sistema de câmeras e comunicação, adquiridos com recursos provenientes de bazares beneficentes realizados na ESCS Samambaia, organizados pela docente e assessora da Coordenação do Curso de Enfermagem, Maria Soneide de Oliveira, e a servidora responsável pelo Laboratório de Enfermagem, Voneide Gonçalves.

CRIATIVIDADE E SUSTENTABILIDADE – O manequim, mencionado pelo estudante, foi adaptado pelo professor que, apesar de não ter outra formação além de enfermagem, é conhecido como o professor Magaiver, em inglês “McGyver” – agente secreto de um seriado americano das décadas de 80 e 90 que resolvia tudo apenas usando seus conhecimentos científicos e seu inseparável canivete. Essa habilidade é colocada em prática pelo professor brasileiro por meio de sua curiosidade e disponibilidade em adaptar instrumentos médicos usados em instrumentos reciclados a fim de facilitar o aprendizado do corpo discente.

“A partir da reutilização e a adaptação do manequim entre outros equipamentos foi possível a ampliação de técnicas de procedimentos que farão parte da realidade dos estudantes, como, por exemplo, o uso do cateter venoso central, dreno de tórax, sistema de vasos periféricos, entre outros procedimentos. A atividade prática em laboratório na área da enfermagem permite a gente fazer qualquer coisa desde um simples consultório até uma unidade de terapia intensiva, nós vamos montando de acordo com a necessidade”, declara o professor.

DOCÊNCIA E PROFISSÃO – O professor Creto tem uma longa trajetória profissional e também de luta na melhoria da enfermagem e, consequentemente, da assistência à saúde da população. Docente desde 1991, ele passou por várias instituições de ensino, entre elas a Universidade de Brasília, e é um dos responsáveis pela a abertura do curso de enfermagem da ESCS. Ele fala da importância da profissão, mas também do valor do ensino.

“Tenho buscado incansavelmente meios e recursos os quais facilitem o ensino/aprendizagem. Procuro me manter atualizado, ser incentivador da equipe para fornecer uma assistência de qualidade aos pacientes. Sou tido como austero, brigão e mal-humorado. Acredito que sou tudo isso porque quero o melhor para o paciente. Sinto-me completamente realizado, alegre e feliz. Se tivesse que recomeçar, faria tudo novamente”, brinca o professor.