Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
14/12/18 às 10h47 - Atualizado em 17/12/18 às 10h23

Em época de festas, bancos de leite precisam de doações

COMPARTILHAR

 

 

 

Saúde conta com a solidariedade das mães para alimentar recém-nascidos

 

Com a chegada das festas de final de ano, os estoques dos Bancos de Leite Humano do Distrito Federal apresentam queda expressiva, de até 25%, e necessitam de doações para que os bebês internados na rede pública de saúde sejam alimentados. Um pote de 300 ml é suficiente para saciar, em um único dia, até 10 recém-nascidos.

 

“Cada vez mais são comprovados os benefícios do leite humano. As crianças que estão internadas necessitam deste alimento para conseguir superar a prematuridade ou alguma doença que os acometeram neste início da vida”, explicou a coordenadora de Aleitamento Materno e Banco de Leite Humano da Secretaria de Saúde, Miriam Santos.

 

De acordo com um levantamento da Secretaria de Saúde, o volume coletado em novembro já começou a apresentar redução. Ao todo, naquele mês, foram acumulados 1.667 litros de leite humano – o que representa 255 litros a menos que no mês de outubro, quando foi atingida a marca de 1.923 litros.

 

 

NECESSIDADE – Em relação ao número de doadoras, o mês de outubro recebeu 559 novas mães. Novembro, por sua vez, registrou apenas 427, resultando em 127 cadastros a menos.

 

Toda mulher que estiver amamentando seu bebê e que decida ser voluntária pode fazer doações aos bancos de leite. Para isto, basta ligar na central telefônica 160, opção 4, ou se inscrever pelo site ou aplicativo Amamenta Brasília.

 

A doação de leite materno, conforme explica Miriam, é um ato de amor. De acordo com ela, em média, a rede tem 250 crianças que necessitam dessas doações, sendo que a maior parte delas é prematura e de baixo peso.

“É importante lembrar que as mães dessas crianças estão passando por um momento muito especial, e de dificuldade. Por isso, necessitam de apoio das mulheres solidárias do Distrito Federal para alimentar seus filhos”, reforçou a gestora.

 

Fábio Magalhães, da Agência Saúde

Fotos: Matheus Oliveira/ Arquivo SES