Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
15/04/21 às 18h15 - Atualizado em 15/04/21 às 18h55

Emergência pediátrica HRC ganha ambiente lúdico e colorido

COMPARTILHAR

Pintura artística traz leveza no acolhimento aos pacientes; unidade possui ampla carta de serviços de pediatria

 

JOHNNY BRAGA, DA AGÊNCIA SAÚDE-DF

 

O pronto-socorro infantil do Hospital Regional de Ceilândia (HRC) está com um novo ambiente humanizado e mais agradável criado especialmente para receber os pequenos pacientes que necessitam de cuidados das equipes de saúde. O trabalho é assinado pelo artista plástico e grafiteiro Elom, que trouxe um tom lúdico e confortável a um local que geralmente recebe pessoas doentes.

 

Ambiente colorido e lúdico é o que traz o trabalho do artista plástico Elom – Foto: Geovana Albuquerque/Agência Saúde-DF

“Foi uma parceria muito importante, pois o Elom doou seu trabalho de forma voluntária como um presente para Ceilândia, pois ele é um artista da nossa cidade”, explica a superintendente da Região de Saúde Oeste, Lucilene Florêncio. Os materiais utilizados na pintura, como sprays e tintas, foram adquiridos pelos servidores do HRC e da superintendência Oeste.

 

O criador das artes reitera que seu trabalho foi uma forma de homenagear Ceilândia e valorizar o HRC. “Foi um presente ao aniversário de 50 anos da cidade. Esse trabalho foi feito entre 3h e 7h, quando o fluxo de pacientes é menor. Para mim foi gratificante, por ser morador de Ceilândia, e por poder presentear um dos melhores hospitais do DF com o meu trabalho”, destaca o artista plástico. A pintura foi feita no período de duas semanas.

 

 

Artista de Ceilândia dedicou duas semanas para, durante a madrugada, presentear a cidade onde vive – Foto: Divulgação/HRC

Para a superintendente, a emergência pediátrica do HRC oferece conforto e melhor ambiência para as crianças e profissionais que atuam na pediatria. “Pretendemos fazer outras grafitagens no hospital, como na emergência geral e, com isso, dar uma humanizada e leveza aos ambientes do HRC para a população que aguarda atendimento”, revela.

 

A taxa de ocupação dos leitos pediátricos do HRC é considerada dentro da normalidade, o que segundo Lucilene Florêncio contribui bastante com toda a rede. A pediatria da unidade também é referência para o Sol Nascente/Pôr do Sol.

 

A pediatria do HRC

 

Desde 2006, a Unidade de Pediatria do HRC recebe bebês e crianças com condições crônicas limitantes de vida e dependência de tecnologia: alimentação enteral, oxigenoterapia, traqueostomia e uso crônico de ventilação mecânica. São crianças vindas da Unidade de Neonatologia do HRC e de UTIs pediátricas da Rede, para acolhimento e apoio aos familiares nos cuidados, visando a alta hospitalar segura, para continuidade da assistência em casa, em parceria com a equipe de Atenção Domiciliar. A unidade recebe, ainda, crianças com condições crônicas em fase de atualização do quadro e, também, para cuidados de fim de vida, acolhendo também suas famílias, em abordagem de Cuidados Paliativos, preconizada pela Organização Mundial de Saúde*.

 

Em 2020, cerca de 40 crianças foram atendidas nesta modalidade de internação, com tempo médio de permanência de 12 dias, com algumas internações de mais de 60 dias, das crianças dependentes de ventilação mecânica. Essa oferta de cuidado agrega valor ao paciente e sua família, ao oferecer o cuidado em ambiente humanizado, com densidade tecnológica adequada à sua necessidade, ao mesmo tempo em que disponibiliza leito de terapia intensiva na Rede para crianças com eventos agudos.

 

Espera do pronto-socorro da unidade está colorida e agradável para receber os pequenos pacientes – Foto: Divulgação/HRC

O local possui equipe interdisciplinar, composta por pediatras, enfermeiros e técnicos, nutricionista, fisioterapeutas, assistente social, professora da classe hospitalar, psicóloga e fonoaudióloga. Isso permite a oferta do cuidado centrado na pessoa e sua família, em modelo biopsicossocial de atenção, em alinhamento com a Política Nacional de Humanização do SUS.

 

Em 2016, o serviço foi credenciado na Secretaria de Saúde como Unidade de Cuidados Prolongados da Pediatria HRC, conforme Deliberação nº 24/2016 (DODF nº217/2016, página 19). O serviço também possui cadastro na plataforma da Academia Nacional de Cuidados Paliativos.

 

Na Unidade de Pediatria, residentes da especialidade e graduandos de diversos cursos da área da Saúde recebem formação em serviço no tema dos Cuidados Paliativos. Em 2021, há projeto para educação permanente da equipe, com oferta de novo curso de Cuidados Paliativos em Pediatria, para profissionais da Pediatria, neonatologia e Atenção Domiciliar do HRC, com carga horária de 20 horas, certificado pelo NEPS.

 

O objetivo é ativar práticas colaborativas de aprendizagem sobre cuidados paliativos em pediatria, qualificando a atenção a crianças com condições limitantes e ameaçadoras à vida na Neonatologia, Pediatria e Atenção Domiciliar do Hospital Regional de Ceilândia.

 

*Os Cuidados Paliativos em Pediatria, segundo a OMS, aplicam-se a condições crônicas e preveem cuidado ativo e total do corpo, mente e espírito da criança, bem como o suporte oferecido a toda a sua família. Devem ser iniciados quando a doença é diagnosticada e continuados de forma integrada ao tratamento curativo direcionado à doença, quando for o caso, e para além dele, quando não mais indicado. A avaliação e o alívio do sofrimento são prioridades nessa abordagem e devem transcender a dimensão biológica, alcançando as esferas psíquica e social. Para que isso seja realmente possível, a OMS afirma a necessidade de equipe multidisciplinar que inclua, nesse processo, toda a família e o meio em que a criança está inserida, encorajando a participação ativa da comunidade. Tais cuidados podem ser prestados em centros de atenção primária, terciária e no domicílio da criança.

Leia também...