Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
14/08/19 às 9h42 - Atualizado em 15/08/19 às 17h52

Equipe de Saúde da Família ajuda pacientes a largar o cigarro

COMPARTILHAR

Grupo antitabagismo funciona na área rural do Paranoá

 

A Unidade Básica de Saúde (UBS) 5 do Paranoá reúne, toda semana, os moradores da localidade de Quebrada dos Neres que desejam parar de fumar. São quatro encontros, nos quais os pacientes partilham, com a equipe de Saúde da Família local, suas experiências, angústias e dificuldades com o vício. Todos são moradores da área rural e estão em situação de vulnerabilidade social.

 

A médica da unidade, Mônica Gonçalves Lanne, explica que os encontros em grupo “servem de apoio para enfrentar a luta contra o cigarro. O grupo é importante porque eles dividem as dificuldades uns com os outros, formando uma rede de suporte que desperta nos pacientes a força necessária para vencer o vício, tão prejudicial à saúde”.

 

O grupo acolhe pacientes como Nerci Batista da Silva, que já tentou outras vezes abandonar o cigarro. Seus pais eram fumantes e, a partir dos 12 anos de idade, ela começou a fumar cigarro de palha.

 

“Fumava escondido porque meu pai não queria, mas como ele fumava nem percebia” conta. Ela atribui a dificuldade em largar o cigarro à depressão, mas pensa na saúde dos filhos como motivo para deixar de fumar.

 

“Quero parar por causa da saúde, a minha e a dos meus filhos, que já têm bronquite alérgica e, embora eu não fume perto deles, eu sei que o cigarro os prejudica também”, reflete Nerci.

 

Além da terapia em grupo, os pacientes têm acesso, na UBS, a adesivo para a terapia de reposição de nicotina, auxiliar no tratamento contra o tabagismo. Outras drogas não são entregues na UBS 5, pois a unidade não possui farmácia.

 

NÚMEROS – Um levantamento feito pelo Instituto Nacional do Câncer (Inca), do Ministério da Saúde, na Pesquisa Nacional sobre Saúde e Nutrição (PNSN), aponta que, em 1989, 34,8% da população acima de 18 anos eram fumantes.

 

Os dados mais recentes são de 2013, e apontam que o percentual total de adultos fumantes estava em 14,7 %. Destes, a maior porcentagem é de homens e moradores da zona rural.

 

DOENÇAS – Números do Inca mostram que, em 2015, o uso do tabaco teve relação direta com as mortes por doenças cardíacas (34.999); doença pulmonar obstrutiva crônica – DPOC (31.120); outros tipos de cânceres (26.651); câncer de pulmão (23.762); tabagismo passivo (17.972); pneumonia (10.900); e mortes por acidente vascular cerebral – AVC (10.812).

 

Os custos diretos, associados ao tabagismo, somaram, em 2015, R$ 39,4 bilhões. Os custos indiretos devido a mortes prematuras e incapacidades atingiram R$ 17,5 bilhões.

 

Clique aqui e saiba mais sobre o tabagismo.

 

 

 

Josiane Canterle, da Agência Saúde

Fotos: Breno Esaki/Saúde-DF