Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
10/04/19 às 15h00 - Atualizado em 10/04/19 às 15h30

Estudantes envolvidos em acidente na BR-251 participam de terapia

COMPARTILHAR

Atividade, realizada em parceria da Saúde e Educação, possibilitou a discussão sobre traumas

 

 

Há três dias de completar um mês do acidente envolvendo um ônibus escolar e um automóvel, na BR-251, no Paranoá, que resultou na morte de duas servidoras da Secretaria de Saúde, 40 estudantes do Centro Educacional PAD-DF, que estavam no coletivo, participaram de uma roda de terapia comunitária. O encontro, ocorrido nesta terça-feira (9), aflorou a emoção e foi uma oportunidade de externar sentimentos decorrentes do trauma.

 

“Notamos que eles estavam bem sensibilizados, até mesmo por terem visto os óbitos. Essa foi uma oportunidade de falar sobre a dor e mostrar como conseguiram ser resilientes, que a vida continua”, destacou a técnica em enfermagem, psicóloga e terapeuta comunitária, Rosângela Lima.

 

O acidente ocorreu no dia 12 de março, pela manhã, há aproximadamente 3 km da escola. Na ocasião, o ônibus transportava os alunos para o colégio, quando colidiu frontalmente com o veículo em que estava Carla Machado, 40 anos, e Rosimeire Rodrigues da Silva, 32, ambas técnicas de higiene bucal da Secretaria de Saúde, que faleceram na hora. No ônibus, 16 adolescentes ficaram feridos.

 

TERAPIA – Participaram do encontro, conduzido por Rosângela e pela psicóloga Aline Xavier, adolescentes de 14 a 18 anos, além do corpo diretivo da escola e representantes da Secretaria de Educação. A roda, que dura habitualmente cerca de 1h30, chegou a 3h devido à grande participação dos estudantes.

 

Pela metodologia da terapia comunitária, os alunos sugeriram quatro temas para serem debatidos. Após uma rápida votação, o tema “medo” foi o vencedor e deu a tônica à roda.

 

Além de abordarem a questão do trauma, os estudantes fizeram uma análise sobre os reflexos do acidente no dia a dia, como as mudanças de posturas e apreensões. Também aproveitaram a oportunidade para confraternizar e orar pelas servidoras da Saúde que faleceram na tragédia.

 

“A roda não é somente para compartilhar sofrimento, é para celebrar. Foi um marco para eles. Desse caso emerge um aprendizado. É uma ferida que se transforma em uma pérola. Eles têm pérolas armazenadas a partir desse acidente”, avalia Rosângela.

 

SERVIÇO – A terapia comunitária é uma das Práticas Integrativas oferecidas gratuitamente pela Secretaria de Saúde. Trata-se de uma atividade terapêutica em grupo que constrói laços sociais por meio da fala, apoio emocional, troca de experiências e prevenção ao adoecimento.

 

Ao todo, 34 locais, espalhados por todo o Distrito Federal, disponibilizam este serviço à comunidade. Para participar, basta procurar uma das unidades básicas de saúde que contam com equipe especializada nesta área. Confira aqui os endereços. 

 

Fábio Magalhães, da Agência Saúde

Foto: Divulgação