Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
30/03/17 às 17h54 - Atualizado em 30/10/18 às 15h16

Festa para celebrar os 23 anos do Hospital de Apoio

COMPARTILHAR

Unidade é referência em tratamento de doenças raras, bem como cuidados paliativos de pacientes oncológicos e geriátricos

BRASÍLIA (30/3/17) – Cuidado, carinho e aconchego são o que os pacientes relatam encontrar no Hospital de Apoio de Brasília, que celebra o 23º aniversário nesta quinta-feira (30). A unidade promoveu uma festa para comemorar a data, com direito a bolo e parabéns, e apresentações de música, teatro e poesia.

“Esse hospital é o cantinho do céu. Os profissionais nos tratam com muita gentiliza, carinho e profissionalismo”. As palavras são do paciente Juvenal Joaquim Pereira, 51 anos, que está internado pela segunda vez no hospital. Assim como ele, que passou pelo processo de reabilitação em decorrência de um AVC e uma lesão medular, outros pacientes relatam a simpatia pelo espaço e a qualidade do atendimento.

É o caso da professora Ivone Caldas, que está internada desde outubro de 2016. Também vítima de um AVC, aos 50 anos, ela se recupera das sequelas. “A dedicação dos profissionais desse hospital faz toda a diferença na minha vida. Cheguei aqui sem andar, sem gesticular, sem falar. Hoje, consigo me comunicar com as pessoas, movimentar os braços. Agora, faço fisioterapia para voltar a caminhar”, relatou Ivone.

“O Hospital de Apoio possui um olhar a respeito de condições peculiares da vida. Um exemplo é o trabalho de reabilitação de pessoas para reinserção. Outros viés é o cuidado com aqueles pacientes que não têm mais perspectiva de terapia, como estágios avançados de câncer ou outras doenças como as geriátricas”, relatou a diretora de Atenção à Saúde da unidade, Maria Cristina Scandiuzzi.

SERVIÇOS – O Hospital de Apoio possui 59 leitos, sendo 30 para reabilitação de pessoas com grandes lesões, 19 para cuidados paliativos oncológicos e 10 para cuidados paliativos geriátricos. A equipe é formada por médicos, fisioterapeutas, fonoaudiólogos, terapeutas ocupacionais, psicólogos, assistentes sociais, nutricionistas, enfermeiros e técnicos de enfermagem.

O HAB também é credenciado como Centro de Referência em Doenças Raras. Os atendimentos e diagnósticos dos pacientes são realizados há mais de 20 anos pelo Serviço de Genética. Além disso, possui o serviço de doenças neuromusculares.
A unidade recebe aproximadamente quatro mil cartões mensalmente com coleta de material para fazer triagem neonatal, conhecida como teste do pezinho. Outras atividades são a Pet Terapia, que conta com o uso de animais para ajudar na recuperação dos pacientes, bem como hidroterapia.

Confira galeria aqui