Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
5/07/18 às 8h20 - Atualizado em 30/10/18 às 14h58

HAB é o primeiro hospital público do DF a instalar Comitê de Bioética

COMPARTILHAR

Comitê de Bioética no HAB é único no DF – Foto: Matheus Oliveira/Arquivo SES

 

O Hospital de Apoio de Brasília (HAB) é a primeira unidade hospitalar pública do Distrito Federal a instalar um Comitê de Bioética, formado por profissionais de diversas áreas para resolver e prevenir diversos tipos de dilemas que possam surgir na unidade de saúde.

 

O comitê tem por finalidades:

 

. abordar e dar ênfase as questões relacionadas à humanização do tratamento multi, inter e transdisciplinar no hospital;

. refletir sobre questões bioéticas do cotidiano do HAB, formular recomendações e contribuir com ações educativas e de divulgação, promovendo, assim, conscientização dos profissionais de saúde bem como da comunidade;

. acolher demandas e elaborar pareceres sobre problemas de natureza bioética que se apresentem em contextos clínicos.

 

“Ele foi criado para a discussão de conflitos que envolvam desde temas polêmicos a situações com profissionais de saúde, pacientes ou familiares. É um espaço de conversação e para discutir questões bioéticas de saúde”, explica a presidente do comitê e fisioterapeuta do Núcleo de Saúde Funcional do HAB, Mariana Sayago.

 

Os temas abordados podem envolver desde direitos humanos do paciente, até deveres dos profissionais, eutanásia, assessoramento genético, diagnósticos terapêuticos e de reabilitação, pesquisa com seres humanos, entre outros.

 

“Os serviços no HAB são todos relacionados com bioética, porque temos reprodução assistida, cuidados paliativos em fase final, lidamos com a terminalidade da vida, enfim, áreas muito frágeis. O comitê acaba tratando de dimensões morais, envolvendo decisões e condutas de ciências ligadas a vida”, comenta a diretora-geral do HAB e membro do comitê, Anelise Pulschen.

 

RESOLVER E PREVENIR – Segundo a professora do Programa de Bioética da Universidade de Brasília (UnB) e também membro do comitê, Aline Albuquerque, a instância tem duas funções fundamentais: resolução e prevenção de conflitos.

 

Para isso, o papel educativo é essencial, com palestras, distribuição de manuais e informações a pacientes, familiares e profissionais de saúde.

 

“Como resultado, os cuidados em saúde serão prestados de forma mais harmoniosa, com menos tensão entre pacientes e profissionais. Dessa forma, as pessoas recorrem menos ao Poder Judiciário para resolver os problemas”, avalia.

 

A criação do comitê foi divulgada em junho no Diário Oficial do Distrito Federal.

 

BIOÉTICA – É o estudo sistemático das dimensões morais, incorporando os princípios que enunciam as regras que norteiam o respeito pela dignidade humana, pelos direitos humanos e pelas liberdades fundamentais, de acordo com a Declaração Universal sobre Bioética e Direitos Humanos.

 

Inclui também a visão moral, condutas e políticas, das ciências da vida e atenção à saúde, utilizando uma variedade de metodologias éticas em um cenário interdisciplinar, exercendo também ação educativa em relação à comunidade interna e externa sobre a dimensão do exercício das profissões de saúde.

 

TEXTO: Leandro Cipriano, da Agência Saúde