Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
3/06/13 às 12h46 - Atualizado em 30/10/18 às 15h05

HMIB oferece ecografia 4D às mães do DF

COMPARTILHAR

Tecnologia permite a visualização do feto em três dimensões obtendo imagens mais compreensíveis

 

O Hospital Materno Infantil de Brasília (HMIB) é o único da Rede de Saúde do DF a oferecer ecografias em três dimensões em tempo real, chamada popularmente de 4D, para gestantes de alto risco e pacientes que participam do programa de fertilização in vitro.

O equipamento ecográfico tem a capacidade de converter ondas de som em imagens que são analisadas por médico especialista. Essa tecnologia permite a visualização nítida do feto em três dimensões obtendo imagens mais compreensíveis para a família especialmente em relação a face e extremidades. “A 4D permite ver o bebê em movimento, sorrindo, bocejando, além de fazer diagnósticos mais precisos de possíveis alterações existentes na criança”, relata o diretor do HMIB, João Rocha Vilela.

Segundo diretor, a diferença deste equipamento para as ecografias bidimensionais tradicionais é a nitidez da imagem o que é imprescindível tanto para às mães que participam do programa de reprodução assistida, por causa do monitoramento da estimulação ovariana, quanto para a avaliação das gestações de alto risco.

A paciente Eliene Costa Gama, 27 anos, grávida de sete meses, está internada no hospital e precisou fazer o exame para avaliar o desenvolvimento de seu bebê. “Fazer a ecografia foi importante para saber que o meu filho está bem. Achei legal porque dá para ver nitidamente o rosto dele e acho até que parece mais comigo do que com o pai”, diz Eliene.

São realizadas, em média, 200 ecografias mensais no HMIB. De acordo com o coordenador do Setor de Alto Risco e Medicina Fetal do hospital, Fernando Ramos de Oliveira, o melhor período para visualização é entre 24 e 34 semanas, ou seja, entre o sexto e oitavo mês de gestação. “A boa visualização da criança também depende da quantidade de líquido amniótico da gestação e da posição fetal”, explica Fernando.

A aquisição de tecnologias de última geração pelo hospital, nos últimos anos, foi priorizada para oferecer melhor qualidade na assistência.  “Tentamos fazer das novas tecnologias nossa aliada na busca da eficiência, eficácia e efetividade do nosso atendimento”, completa João Vilela.

 

Ana Luiza Greca