Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
22/11/17 às 16h21 - Atualizado em 30/10/18 às 15h18

Hospital da Região Leste promove mutirão de vasectomia

COMPARTILHAR

Ação vai até sexta-feira (24) e deve operar 36 pacientes

BRASÍLIA (22/11/17) – Entre esta quarta-feira (22) e sexta-feira (24), o Hospital da Região Leste vai fazer cirurgia de vasectomia em 36 pacientes, moradores da área rural, que aguardavam pelo procedimento cirúrgico de esterilização masculina. A ação é uma parceria entre a Secretaria de Saúde, Ministério da Saúde e Hospital Universitário de Brasília.

“Essa é a segunda ação e pretendemos fazer uma terceira, no fim de janeiro. Com isso, iremos zerar a fila, que era de 120 pacientes”, diz o diretor do Hospital da Região Leste, Leonardo Ramos. Ele ressalta que fora o mutirão, cerca de duas cirurgias de vasectomia são feitas, normalmente, por semana, na unidade.

Com anestesia local, a vasectomia é realizada em aproximadamente 30 minutos e o paciente tem alta em seguida e recebe todas as orientações para agendar o retorno com um urologista do HRL, que passará a acompanhá-lo periodicamente ou o encaminhará ao Programa Saúde da Família, na própria Região Leste.

ACOMPANHAMENTO – Essa parceria entre o HUB e a Secretaria de Saúde integra as atividades que estão sendo definidas na Linha de Cuidado em Saúde do Homem, que também conta com a participação do Ministério da Saúde e da Universidade de Brasília (UnB).

O projeto visa organizar um fluxo de atendimento que permita ao paciente ter suas necessidades atendidas em qualquer nível de complexidade assistencial, o que pressupõe um trabalho de regulação interna e de regulação entre as instituições.

VASECTOMIA – Para quem tem interesse em fazer uma cirurgia de vasectomia, a porta de entrada é a Unidade Básica de Saúde. O paciente precisa ter acima de 25 anos e/ou pelo menos dois filhos.

“Na unidade ele assistirá uma palestra de planejamento familiar, com orientações do que precisa de exames e documentação para passar pela cirurgia e, assim, ser encaminhado ao hospital”, explica Leonardo Ramos.