Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
3/08/20 às 12h15 - Atualizado em 3/08/20 às 14h58

HSVP tem o único ambulatório de psicogeriatria do Distrito Federal

COMPARTILHAR

Atendimento é feito, por telefone, durante a pandemia

 

JOSIANE CANTERLE, DA AGÊNCIA SAÚDE DF

 

Conforme a idade avança, os idosos precisam de mais atenção e cuidados. Problemas de saúde mental podem aparecer ou se intensificar com o passar do tempo e requerer maior assistência médica. No Centro-Oeste do Brasil, o Hospital São Vicente de Paulo (HSVP) é a única unidade de saúde pública que oferece atendimento ampliado em Psicogeriatria, área de amplo espectro que atua junto à população idosa portadora de sofrimento psíquico grave.

 

Atendimento virtual preza a segurança dos pacientes em meio à pandemia de Covid-19 – Foto: Divulgação/Agência Saúde DF

Para não deixar esses pacientes desassistidos durante a pandemia, a equipe de profissionais vem se reinventando para dar o atendimento tão necessário nessa fase da vida.

 

Devido o perfil dos pacientes assistidos, os servidores do programa de Psicogeriatria precisaram suspender os atendimentos presenciais. A maneira encontrada, inicialmente, foi manter os atendimentos por meio de diversos recursos eletrônicos com os pacientes que já eram atendidos.

 

Logo, os profissionais perceberam que era necessário buscar alternativas para atender novos pacientes, aqueles que já se encontravam em lista de espera.

A médica Psiquiatra, Jussane Cabral Mendonça, explica que foi criado “um formulário de triagem telefônica, a partir do qual conseguimos verificar a gravidade do caso dando prioridade de atendimento aos mais urgentes.

 

Foto: Divulgação/Agência Saúde DF

Os atendimentos em primeira consulta tem sido feitos preferencialmente na modalidade de telemedicina e presencial com horário agendado quando o caso demanda”.

 

Um dos novos pacientes acolhidos durante a epidemia é um idoso de 81 anos que possui deficiência visual e limitação motora com uso de cadeira de rodas. De acordo com o relato da família, havia muito tempo que o paciente não tinha suporte em Psicogeriatria e vinha apresentando dificuldade com o sono e períodos de agitação.

 

“Ele colaborou com a consulta e teve o suporte da sobrinha e da irmã para oferecer as informações necessárias ao atendimento”, relata Jussane, que também é a criadora e coordenadora do Ambulatório de Psicogeriatria do HSVP. “Ficamos emocionados com a possibilidade de alcance de uma pessoa tão vulnerável, e de poder chegar a quem precisa de assistência. Acreditamos no SUS que chega para todos que precisam”, enfatiza a psiquiatra.

 

Atendimento

 

O atendimento funciona com uma equipe multidisciplinar e conta hoje com psicogeriatria, fisioterapia, terapia ocupacional, enfermagem e nutrição.

 

Para implantar esse novo recurso de assistência a equipe contou com o apoio da direção do hospital, do setor de tecnologia da informação e da disponibilidade dos profissionais envolvidos. Jussane avalia que “com as adaptações, voltamos a receber pacientes novos e ter um monitoramento mais efetivo dos pacientes já acompanhados no serviço”.

 

Os novos meios utilizados são a triagem telefônica de pacientes em lista de espera, monitoramento telefônico de retornos, primeira consulta e retornos por telemedicina (sala virtual) e consultas presenciais.

 

Residência

 

Em 2020 teve início o programa de residência em Psicogeriatria no HSVP e recebe residentes de psiquiatria, de psicogeriatria e residência multiprofissional em saúde mental do adulto. O programa é ligado à Comissão de Residência Médica e à Fundação de Ensino e Pesquisa em Ciências da Saúde.

 

“Sinto que podemos ser criativos e dar sentido ao que nos move. Fazendo a medicina, a psiquiatria com amor e dedicação. Prezando por assistência de qualidade e com compromisso e buscando sempre aprimorar. A residência médica é fator de muito estímulo para fazer o SUS ter em sua atuação assistência, formação, pesquisa e renovação”, finaliza a psiquiatra, que ainda é preceptora.

 

EDIÇÃO: JOHNNY BRAGA