Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
23/11/16 às 16h48 - Atualizado em 30/10/18 às 15h16

ICDF realiza transplante inédito no DF

COMPARTILHAR

Paciente recebeu medula óssea parcialmente compatível

BRASÍLIA (23/11/2016) – Graças à doação de medula óssea de um familiar, a brasiliense Janaína Vanessa de Souza ganhou um novo recomeço. Portadora de leucemia linfoide aguda, ela precisava do transplante com urgência, contudo, não encontrava doador compatível, nem em sua família nem em bancos de medula óssea (nacional e internacional). A solução encontrada foi o transplante haploidêntico, quando a medula doada é parcialmente compatível com a do receptor. Essa é a primeira vez em que é feito um transplante dessa natureza no Distrito Federal.

A “pega da medula”, momento após o transplante em que se comprava o funcionamento da medula recebida para produzir as células do sangue em quantidades suficientes, foi confirmada nesta segunda-feira (21). O transplante ocorreu no início do mês, mas só agora foi constatado o sucesso do procedimento. Janaína está estável, mas ainda não tem previsão de alta. Ela continua sob os cuidados da equipe do Instituto de Cardiologia do Distrito Federal (ICDF).

No caso de Janaína, a doação veio do seu primo de primeiro grau, que tinha 50% de compatibilidade genética. O diagnóstico da doença ocorreu em outubro de 2015 e desde então ela busca tratamento para vencer a leucemia. Foram realizados vários testes nos familiares da paciente até ser verificada a possibilidade de doação pelo primo. O transplante haploidêntico é uma modalidade de transplante bastante desafiadora, já que apresenta maior risco de rejeição da medula recebida e outras complicações pós-TMO.

O médico hematologista Gustavo Bettarello, responsável técnico da Unidade de TMO do ICDF, afirma que o transplante haploidêntico vem se tornando uma tendência mundial. Devido às formações familiares cada vez menores, o procedimento é uma alternativa para pacientes que aguardam tratamento. “Hoje, são poucos os casais que possuem mais de um filho e isso acaba limitando o acesso a doadores. A chance de encontrar um irmão 100% compatível hoje em dia é mais baixa”, explica Bettarello.

COMO SER DOADOR – Procure o hemocentro da sua região e se cadastre como doador de medula óssea. O cadastro é fácil e rápido. Você pode fazer a diferença na vida de alguém. Torne-se doador e ajude a salvar vidas. Em Brasília, você pode agendar a sua doação pelo telefone 160, opção 2.

Endereço: Hemocentro de Brasília – Setor Médico Hospitalar Norte, Quadra 03, conjunto A Bloco 03 – Asa Norte. Telefone 160, opção 2. O Hemocentro funciona de 2ª a sábado, de 07 às 18 horas.