Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
4/12/15 às 19h02 - Atualizado em 30/10/18 às 15h13

Lacen/DF recebe laboratórios centrais de outros estados para discutir verificação na qualidade de medicamentos

COMPARTILHAR

Representantes da Anvisa participaram da reunião para apresentar proposta de análise laboratorial

BRASÍLIA (4/12/15) – O Laboratório Central de Saúde Pública do DF (Lacen/DF) sedia reunião técnica entre a Gerência de Laboratórios de Saúde Pública da Anvisa e os Lacens de 12 estados do país. O objetivo do encontro, que termina nesta sexta-feira (4), é discutir a proposta para a execução de ensaios laboratoriais de controle e qualidade de medicamentos, dentro dos parâmetros do Programa Nacional de Verificação da Qualidade de Medicamentos (Proveme).

O Proveme tem como objetivo principal monitorar a qualidade dos medicamentos e é um trabalho desenvolvido em conjunto com as vigilâncias sanitárias e Lacens estaduais e com o Instituto Nacional de Controle de Qualidade e Saúde (INCQS).

“É a primeira vez que o Lacen/DF receberá recursos do Proveme, que já existe desde 2004. “Nosso laboratório possui equipamentos de alta tecnologia e profissionais capacitados que atuam na análise de medicamentos”, informa o diretor do laboratório, Eduardo Filizzola.

Para desenvolver o monitoramento dos medicamentos listados pelo Proveme, os laboratórios recebem uma verba por meio de uma parceria com o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). As coletas, realizadas pelas vigilâncias sanitárias dos estados, são encaminhadas aos Lacens, que enviam os resultados para a Anvisa.

Dentro do Lacen/DF, a área responsável pelo monitoramento dos medicamentos é o Núcleo de Medicamentos e Cosméticos (NMC), que integra a Gerência de Medicamentos e Toxicologia (GMT). “O controle de qualidade é fundamental para detectar desvios de fabricação, de uniformidade do produto, bem como possíveis falsificações de medicamentos. O monitoramento é feito por meio da realização de vários ensaios físico-químicos e microbiológicos, além da análise documental, que possibilita a verificação da adequação quanto às legislações pertinentes. Esse monitoramento é de fundamental importância, pois permite que sejam detectados desvios de qualidade pós-comercialização, prevenindo que danos maiores atinjam a população”, informa a farmacêutica do Núcleo, Mariana Berretta.