Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
8/08/19 às 12h15 - Atualizado em 9/08/19 às 13h07

Lacen oferece curso sobre meningite a mais de 100 profissionais

COMPARTILHAR

Subsecretaria pretende realizar, em breve, novas edições

 

Médicos, profissionais de laboratório e da Vigilância Epidemiológica participaram, durante dois dias, de um curso Teórico-Prático de Atualização em Meningite Bacteriana promovido pelo Núcleo de Bacteriologia do Laboratório Central de Saúde Pública do Distrito Federal (Lacen).

 

A instrução, encerrada nessa quarta-feira (7), teve o objetivo de atualizar os profissionais de saúde do DF envolvidos no diagnóstico das meningites, no que tange à clínica e à epidemiologia das meningites e ao uso de diferentes técnicas de diagnóstico laboratorial da Meningite Bacteriana, além de capacitar os profissionais de laboratório em Bacterioscopia de Líquor.

 

“Ficamos muito felizes com a procura pelo curso. Tivemos mais de 100 profissionais treinados e ainda não conseguimos atender a todos. Pretendemos realizar esse curso com uma frequência maior. Acredito na educação continuada para o alcance da excelência”, enfatizou a chefe do Núcleo de Bacteriologia do Lacen, Glaura Lima.

 

A meningite de origem infecciosa é um grave problema de saúde pública e pode ser causada por diferentes agentes etiológicos, como bactérias, vírus, fungos e parasitas. No caso da meningite bacteriana, devido à alta letalidade e potencial de transmissão, patogenicidade e por ser uma doença de notificação compulsória imediata, os profissionais envolvidos com esse agravo devem estar aptos para uma resposta rápida e eficaz.

 

“O curso surgiu da necessidade de suprir uma demanda por aprimoramento do fluxo do Programa de Meningite Bacteriana. A cooperação entre assistência, vigilância e laboratório é fundamental nesse processo. Por meio dessa capacitação conseguimos fortalecer as relações e atingir nosso público-alvo”, finalizou a microbiologista do Programa de Meningite da Bacteriologia do Lacen, Natalia Dias.

 

Carolina Pedroza, da Agência Saúde

Fotos: Breno Esaki/Saúde-DF