Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
20/02/14 às 12h14 - Atualizado em 30/10/18 às 15h10

Profissionais orientam quanto aos alimentos que podem evitar cálculos renais

COMPARTILHAR

Principais sintomas são dor aguda, náuseas e sangue na urina

Dor aguda e incessante é um dos principais sintomas para o portador de cálculo renal ou popularmente chamado de ”pedra nos rins” e que pode vir acompanhada por náuseas, vômitos e sangue na urina. Dados da Sociedade Brasileira de Nefrologia apontam que a incidência da doença aumenta em cerca de 20% no verão em decorrência das temperaturas elevadas do clima onde há uma perda de água através da transpiração que nem sempre é acompanhada pela ingestão de líquidos.

A vida agitada e estressante e sem tempo para beber água, ocasionou na fisioterapeuta, Polianna Rute da Conceição, 27 anos, uma microlitiáse ou pequenas pedras nos rins. Ela permaneceu internada durante dois dias no pronto socorro do Hospital do Gama, onde foi diagnosticada com a doença. “Eu sentia dores muito fortes, o clínico me examinou passou exame de urina e de sangue no resultado não apresentou nada e aí o médico pediu uma ecografia e depois uma tomografia computadorizada, que foi o exame que indicou o problema. Tomei a medicação para dor e outra para eliminar as pedrinhas, isso correu por que não tenho o hábito de beber muita água”, contou a fisioterapeuta.

O clínico Geraldo Gonçalves Silva informa que a formação de um cálculo renal ou litíase urinária decorre do acúmulo de cristais na urina podem ser substâncias como o ácido úrico, cálcio e cistina. “Quando o sangue é filtrado nos rins elimina os cristais, e a pouca ingestão de líquidos faz com que a urina seja mais concentrada, quanto mais a pessoa bebe água, há uma melhor filtragem dessas substâncias pelos rins.”

Especializado no assunto, o urologista, Omar Nayef Fakouri, do ambulatório de urologia do HRG, explica que os sintomas para quem tem a doença são diversos, vão desde as cólicas a dor intensa na região das costas e do abdome. “Existem casos assintomáticos, onde o paciente não sente nenhum dor. Preferencialmente é recomendado para identificar o cálculo renal os exames de imagem como a ecografia ou a tomografia computadorizada. Detectado o problema, a primeira conduta é tratar da dor que é intensa e dependo do quadro clínico do paciente, o tratamento pode ser através de medicamentos ou cirúrgico”, esclareceu o urologista.

Nayef acrescenta que o cálculo renal também pode ser hereditário, mas os principais fatores são a alimentação inadequada com baixa ingestão de líquidos e as infecções urinárias.

Recomendações

A equipe de nutrição do HRG recomenda que para evitar o problema, as pessoas devem ingerir pelo menos de dois e três litros de água por dia, evitar o excesso de alimentos de origem animal em especial as carnes vermelhas e também o uso em excesso de sal nos alimentos. Para quem já tem cálculo renal, os alimentos embutidos como a salcicha, o salame, presuntos, queijos amarelos, os temperos industrializados, o chá preto, chocolates, frutas oleaginosas como amendoim, amêndoas,nozes e castanhas não devem ser consumidos.

Onde procurar

Os hospitais da SES disponibilizam consultórios de urologia. Para a consulta é necessário procurar o primeiro atendimento nas unidades básicas de saúde onde o médico da família ou clínico geral avaliará o caso e fará o pedido de encaminhamento para avaliação na especialidade de urologia.

Por Eliane Simeão, da Agência Saúde DF
Atendimento à imprensa:
(61) 3348-2547/2539