Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
2/06/15 às 18h58 - Atualizado em 30/10/18 às 15h12

Mutirão beneficia 16 vítimas de queimadura com plástica reconstrutora no Hran

COMPARTILHAR

 40 cirurgiões participaram da ação 

BRASÍLIA (2/6/15) – Vítima de uma queimadura que comprometeu 75% do seu corpo, aos seis anos de idade, Jhonatan Pereira Fernandes, 21 anos, foi um dos beneficiados pelo Mutirão de Cirurgia Reconstrutora em Pacientes que Sofreram Queimaduras, promovido pelo Hospital da Asa Norte em parceria com a Sociedade Brasileira de Queimados (SBQ), nesta terça-feira (2).

São 40 médicos, sendo 28 cirurgiões plásticos da Secretaria de Saúde e outros 12 voluntários de outros estados trazidos pela SBQ, que trabalham desde as 7h desta terça-feira para atender Jhonatan e outros 15 pacientes com histórias parecidas.

Na trajetória do jovem – que guarda na memória o acidente causado por uma brincadeira em que ateou fogo em um vidro de álcool, causando uma explosão – estão mais de 10 cirurgias realizadas pelas equipes do Hran em função das sequelas deixadas pelo fogo. “Estou há mais de 15 anos sendo atendido pelas equipes deste hospital”, disse. “Eu me queimei porque fui brincar com os meus primos e tivemos a ideia de acender uma fogueira e aconteceu isso”.

O paciente passará por um procedimento no pescoço, com o uso de pele artificial, um novo tipo de tecnologia implantado pelo Hran para enxertar a pela. “Já fiz muitas cirurgias reconstrutoras aqui que mudaram completamente minha vida. Hoje tenho todos os movimentos e até jogo bola de vez em quando. Se não fosse pelo tratamento, eu ainda estava em uma cama”, afirmou.

Beneficiada também pelo mutirão, Daianne, que tem apenas 10 anos, também foi vítima do fogo. A criança se queimou aos quatro anos de idade, brincando com uma vela. “Quando ouvi os gritos vi que ela estava bastante queimada”, lembra a mãe, Viviane Correia. Agora, Daianne passará também por uma cirurgia reparadora no pescoço. O procedimento prevê a retirada de pele de seus membros inferiores para minimizar as cicatrizes.

SOLIDARIEDADE – A cirurgiã plástica de Goiás, Telma Rocha, especialista em queimaduras, contou que a primeira paciente dela no mutirão foi uma criança. “As pessoas queimadas têm sequelas muito críticas e elas realmente deixam sequelas que afetam a vida, a rotina, a interação social, então, não nos custa nada contribuir um pouco”, disse.

O presidente da SBQ, Leonardo Cunha, explicou que as ações para lembrar sobre a prevenção de queimaduras e ajudar vítimas do fogo foram feitas em alusão ao dia 6 de junho, quando é comemorado o Dia Nacional de Luta Contra as Queimaduras.

“Decidimos realizar um mutirão para que pacientes com sequelas de queimaduras fossem operados. Cirurgiões de outros estados, entre eles, Santa Catarina, São Paulo, Rio Grande do Sul e Recife, se colocaram à disposição para que doássemos o nosso tempo e trabalho para os pacientes”, ressaltou.

O Coordenador de Cirurgia Plástica da Secretaria de Saúde, José Adorno, explicou que os profissionais de várias estados estão trocando experiências e realizando técnicas inovadoras durante as cirurgias.

Um exemplo é a pele artificial, utilziada desde 2013 na unidade. “Estamos usando material de alta tecnologia. Elas incluem uma melhoria enorme para minimizar cicatrizes e a agilidade do tratamento”, informou. “Quando a gente fala em pele artificial, não é a pele inteira que vamos usar. É a camada mais profunda da pele, que é a derme. Hoje, a indústria farmacêutica oferece esse recurso e a gente tem melhores resultados com a cicatrização”, completou.

JORNADA – Além do mutirão, Brasília receberá, entre os dias 4 e 6 de junho, a IX Jornada de Queimados e o I Simpósio Centro Brasileiro de Feridas. O evento contará com palestras, mesas redondas, cursos e oficinas. Entre os temas estão qualidade de vida do paciente queimado, queimaduras em crianças e desafios da cirurgia reparadora. O evento será realizado na Associação Médica de Brasília (Setor de Clubes Sul, Trecho 3 Quadra 6). As inscrições devem ser feitas no site da jornada (www.jbqueimaduras.com.br), onde também é possível obter informações mais detalhadas sobre a programação do encontro.

REFERÊNCIA– As cirurgias reconstrutoras são feitas em várias etapas, dependendo do grau de comprometimento. Atualmente, o Hospital Regional da Asa Norte é referência no Centro-Oeste nos serviços especializados em queimadura, desde aquelas que comprometem a visão até o procedimento que envolve o retorno da mobilidade dos membros.

Anualmente, na unidade, são realizadas 2 mil cirurgias, 300 internações e 8 mil atendimentos ambulatoriais. A unidade também disponibiliza atendimento de urgência e emergência 24h.

Além do atendimento ambulatorial, com psicólogos, dermatologistas e cirurgiões plásticos, os pacientes da Unidade de Queimados do Hran ainda podem contar com o apoio da Associação de Prevenção e Intervenção em Queimaduras (Avance). “Damos aos pacientes as condições mínimas necessárias para que eles não evadam ao tratamento. Por isso, fornecemos passagem, protetor solar, óleo hidratante e a malha”, explica a presidente da associação, Ana França.

A entidade, sem fins lucrativos, trabalha em parceria com o Hran, que cede à associação uma sala no ambulatório da unidade e uma costureira, servidora da Secretaria de Saúde, para confeccionar as malhas. “Para comprar os outros itens que doamos aos pacientes contamos com doações e também com a renda que arrecadamos em, eventos como almoço e bazar”, diz Ana, ressaltando que quem quiser ajudar pode entrar em contato com a Avance por meio do telefone 3325-4226. A associação atende, em média, 150 pacientes por mês.

Leia também...