Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
27/11/17 às 20h59 - Atualizado em 30/10/18 às 15h18

Novo aparelho de radioterapia reduzirá espera por tratamento

COMPARTILHAR

Número de atendimentos aumentará de 45 para 65 pacientes diariamente

BRASÍLIA (27/11/17) – Com a inauguração, nesta segunda-feira (27), do novo acelerador linear do Hospital Universitário de Brasília (HUB) – aparelho utilizado para o tratamento de radioterapia em pacientes com câncer – o sistema de saúde do Distrito Federal deu mais passo relevante para o pleno atendimento da demanda local por esse serviço. “Tínhamos uma fila de espera por tratamento com mil pessoas, atualmente são trezentos e oitenta, um número que consideramos ainda alto, mas, até o final de 2018 deveremos chegar próximos a zero”, estima o secretário de saúde do DF, Humberto Fonseca.

O governador de Brasília, Rodrigo Rollemberg, também destacou a importância do novo equipamento para a população brasiliense, “que vai colaborar de forma decisiva para a redução do tempo de espera”. Ele destacou a importância da ação conjunta com o Ministério da Saúde para a melhoria da atenção oncológica, “uma parceria crucial”, que integra o Plano de Expansão da Radioterapia no Sistema Único de Saúde (SUS) – projeto lançado em 2012 que prevê a instalação de 100 equipamentos em todo o país.

“Estamos dando prosseguimento acelerado à execução do plano e já alcançamos o atendimento de 70% dos pacientes com câncer em 60 dias, conforme determina a legislação atual. Vamos realizar todos os esforços possíveis para atingir a atenção integral nesse prazo e, para isso, contamos com os serviços prestados pelos hospitais universitários, como o HUB, que mantêm sete aceleradores lineares em todo o Brasil”, destacou o ministro da Saúde, Ricardo Barros.

ATENDIMENTO – O aparelho inaugurado no HUB foi entregue pelo Ministério da Saúde em 20 de julho e, durante esse período, passou por processo de montagem e testes. Com o novo equipamento, o HUB contará com dois aceleradores lineares, elevando o número de atendimentos de forma gradual, passando dos atuais 45 para 65 pacientes/dia, em média. A lista para tratamento é gerenciada pela regulação da Secretaria de Saúde do Distrito Federal (SES-DF).

Com os dois aceleradores funcionando na capacidade máxima – após um processo de reordenamento interno, inclusive em capacitação e alocação de recursos humanos – o número de atendimentos no hospital pode chegar a 110 pacientes diariamente. O investimento do ministério com a construção do bunker (espaço destinado para instalação do aparelho) e a compra do equipamento ficou em torno de R$ 4,3 milhões.

Confira mais fotos