Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
26/11/14 às 17h22 - Atualizado em 30/10/18 às 15h11

Oficina de Consciência Corporal ajuda no tratamento de paciente com transtorno mental

COMPARTILHAR

Nova sala será entregue em dezembro

BRASÍLIA (26/10/2014) – O Hospital São Vicente de Paulo (HSVP) oferece a oficina “Só alegria em movimento” para pacientes que apresentam transtorno mental com alterações da psicomotricidade, da marcha, da postura entre outras. Os exercícios corporais são desenvolvidos duas vezes por semana e cada sessão dura, em média, 30 minutos, sempre às segundas-feiras, às 14h; e nas sextas-feiras, às 10h.

De acordo com a responsável pela oficina no HSPV, enfermeira Laura Cardins Girão, os exercícios corporais apresentam benefícios para todas as pessoas, independente da idade e do sexo. Não há restrições, pois cada pessoa tem seu limite corporal.

A atual sala tem capacidade para dez pacientes. Uma sala de práticas corporais está prevista para ser entregue na primeira quinzena do mês de dezembro. A frequência e o número de pacientes variam com a quantidade de pacientes que são admitidos no Pronto Socorro Dia.

“O número de participantes será ampliado com a nova sala para atividades com os pacientes internados no Pronto Socorro, na Ala de Internação e do Grupo de Geriatria atendidos no ambulatório com apoio da fisioterapia”, anuncia Laura Cardins.

Para ela, a idéia de criar a oficina de consciência corporal, partiu da necessidade de trabalhar o corpo e a mente dos pacientes, visto que as pessoas que têm transtornos mentais apresentam alterações da psicomotricidade, da marcha, da postura, entre outras. Dentre elas, a agitação psicomotora, é uma das mais comuns, implica a aceleração da atividade motora em conseqüência das funções psíquicas que estão aceleradas. Ocorre geralmente no estado maníaco, caracterizada por: euforia, dificuldade de se concentrar, pensamento rápido e não consegue parar e repousar por um longo período.

Nesse caso, os exercícios são realizados em dupla, na bola terapêutica com o objetivo de acompanhar o ritmo do outro para desacelerar e concentrar. Também, usam-se exercícios de som, para liberar as tensões e a energia e finalizar com relaxamento muscular.

Nos estados depressivos, geralmente ocorre a lentificação psicomotora que consiste num estado de diminuição dos movimentos, com pouca expressão e gestos limitados. Caracterizados também pela lentificação dos pensamentos e da linguagem. O paciente nesse contexto apresenta humor deprimido, baixo auto-estima e vive seu corpo como fonte de sofrimento.

As atividades corporais podem ter exercícios de coordenação motora/equilíbrio na bola terapêutica realizados individualmente para estimular a autoconfiança, dinâmicas de interpretação com intuito de deixar o paciente mais à vontade e extrovertido e finalizar as atividades com a massagem da bolinha de tênis na coluna do outro paciente. Esta última tem a finalidade de aproximar o paciente das outras pessoas, melhorando a relação interpessoal e estimulando a auto-estima.

Na esquizofrenia o paciente experimenta profundas alterações da imagem corporal. Acontece, porém não com muita freqüência as alucinações cinestésicas ou viscerais são sensações localizadas nos órgãos internos. Pacientes referem destruição de qualquer órgão, como cérebro que encolhe ausência do útero e existência de “bicho” no abdômen. Ademais, as alucinações cinestésicas são vivenciadas pelo paciente como sensações alteradas de movimento do corpo, como sentir as pernas encolhendo ou um braço se elevando.

Nesses casos, as práticas corporais são mais intensas deve-se estimular a autopercepção das suas estruturas ósseas, dos órgãos e da respiração. Os exercícios podem ser individuais, iniciando com as mãos fechadas e realizando leve percussão sobre as costelas e ombros – sentir a solidez óssea é dar consciência física do suporte. Para percepção dos órgãos, deve-se tocar no tórax (coração) ou no abdômen e sentir com muita concentração os movimentos. Esta vivência possibilita também a consciência física, indissolúvel mente e corpo. Além disso, conscientizar a respiração é assumir a responsabilidade pelo próprio corpo, um exercício fácil e eficaz é posicionar as mãos espalmadas nas laterais do tórax e perceber que na inspiração há abertura lateral do tórax e na expiração há fechamento do tórax.

Compreender o corpo e suas interfaces, não depende somente de entender como o sistema locomotor funciona e como acontece a conexão de milhares de neurônios quando se faz um determinado movimento ou quando identifica um determinado estímulo sensitivo. Em vista disso, as vivências corporais iniciam no primeiro ano de vida ao experimentar as informações proprioceptivas e cinestésicas, experiências que possibilitam explorar as percepções corporais e a localizar as partes do corpo durante os movimentos. Portanto, essa mobilidade corporal não depende somente de fatores motores, mas também de psíquicos e somáticos.

A atividade corporal apresenta benefício para todas as pessoas, independente da idade e do sexo, não há restrições, pois cada pessoa tem seu limite corporal. Geralmente aderem á esse tipo de atividades pessoas que não gostam de freqüentar academias, pessoas que tem patologias ortopédicas ou reumatologias ou pessoas que desejam melhorar sua postura.

Participam dessas atividades pacientes que têm transtorno mental, internados no HSVP, os pacientes que são admitidos no PS-Dia, das regionais: Samambaia, Taguatinga, Ceilândia e Recanto das Emas, independente da faixa etária, sexo e diagnóstico. Participam os pacientes que se sentem a vontade de entrar na sala e movimentar o corpo.
Atividades desenvolvidas na oficina

Atividade Corporal
Benefício para o corpo
Benefício para a mente
POSTURA- Paciente realiza o toque em si mesmo: do tórax, da coluna vertebral e da pelve e depois realiza movimentos de rotação dos seguimentos.
Melhora a dor, diminui a tensão muscular melhora a postura, harmonia dos gestos.
Aumenta a percepção da imagem corporal (paciente consegue localizar o local de dor, de tensão, enrijecimento e se existe algum lado do corpo que não é simétrico).
Coordenação motora/Equilíbrio- Paciente realiza exercícios na Bola terapêutica (sentados ou com o abdômen em contato com a bola) e realizam movimentos alternados entre os membros superiores e inferiores.
Melhora a marcha, aumenta a harmonia do movimento (direção, velocidade e amplitude).
Controle neuromuscular
Melhora concentração
Melhora autoconfiança e segurança, aumenta auto-estima.
Relaxamento muscular-Paciente pode ser feita através:
Sentado e outro paciente massageia as costas com a bola de tênis.
Vibração pernas para cima: deitado no chão, colocar as pernas para cima com joelhos levemente flexionados, dobrar os tornozelos e empurrar para cima e começar a vibrar.
Massagear os pés com a bolinha de tênis.
Melhora dor, diminui a tensão muscular, diminui o enrijecimento muscular, melhora coordenação motora fina (enquanto massageia o outro com a bola de tênis).
Mais relaxado, mais tranqüilo, melhora relação consigo e com os outros.
Respiração:
Modelagem do tórax: posicionar a as mãos sobre as costelas laterais. Durante a inspiração, abertura lateral do tórax e na expiração, fechamento lateral do tórax.
Diminuição da tensão muscular, descontração muscular, melhora a concentração.
Relaxamento global melhora relação consigo e com os outros.
Marcha: Andar sobre a cobrinha de pano.
Melhora equilíbrio.
Melhora postura, melhora imagem corporal.