Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
9/05/17 às 20h13 - Atualizado em 30/10/18 às 15h17

Pacientes com HIV recebem tratamento homeopático

COMPARTILHAR

Terapia ajuda no combate à depressão

BRASÍLIA (9/5/17) – Aumento da qualidade de vida, menos efeitos colaterais decorrentes do uso de medicamentos industrializados e redução da possibilidade de depressão. Esse é o quadro apresentado por pacientes diagnosticados com o vírus da imunodeficiência humana (HIV) que fazem uso da terapia homeopática aliada aos remédios alopáticos (aqueles produzidos em larga escala).

Desde 2007, a Secretaria de Saúde do Distrito Federal, por meio do médico clínico e homeopata César Nunes, oferece a homeopatia voltada para o tratamento da depressão e das complicações advindas dos medicamentos usados em soropositivos.
“Pessoas com HIV são 30% mais propensas a apresentarem depressão e outros problemas psicoemocionais”, ressalta o profissional. Com base nesse dado e em 10 anos de experiência no acompanhamento destes casos clínicos, Nunes realizou um estudo, concluído em dezembro de 2016, que comprova a eficácia da homeopatia como recurso terapêutico em pacientes com HIV.

DO QUE SE TRATA – A homeopatia analisa o ser humano como um todo, com isso, além do corpo, esta especialidade também avalia a mente. Diferentemente da terapia alopática, que são os remédios vendidos em farmácias e drogarias, os medicamentos homeopáticos tratam da pessoa que tem a enfermidade e não a doença.

“Na homeopatia, os remédios não são agressivos e atuam por estímulo. Por isso, o organismo é levado a reagir para que seus mecanismos de defesa apresentem respostas positivas”, esclarece César.

COMO FUNCIONA – O tratamento é ofertado no Hospital Dia, localizado na 508 Sul, às segundas, das 7h às 12h e quartas-feiras, das 7h às 12h e das 13h às 18h. O acompanhamento é feito com o homeopata César Nunes que recebe os pacientes soro positivo encaminhados por outros profissionais da unidade.

Na primeira consulta, com duração de uma hora, o médico começará a conhecer a história da pessoa com o intuito de analisar as possíveis causas desencadeadoras do processo de depressão. Também avalia se o paciente apresenta recusa ao uso das drogas necessárias ao tratamento do vírus ou, ainda, se tem efeitos colaterais relacionados a esses medicamentos.

BENEFÍCIOS – De acordo com César, quando o tratamento homeopático é iniciado, a pessoa passa a aceitar a doença naturalmente, de forma que, a partir dessa decisão, ganha qualidade de vida por se empenhar, de fato, em conquistar resultados mais positivos com o uso dos medicamentos. Paralelamente, o processo depressivo é avaliado. “Além disso, com essa terapia os usuários ficam biologicamente mais adaptados à presença do vírus e sofrem menos com as complicações decorrentes do HIV. Outro fator relacionado, é a maior receptividade ao início do tratamento alopático”, esclarece Nunes.