Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
20/10/16 às 18h05 - Atualizado em 30/10/18 às 15h16

Pacientes do Base contam como superaram o câncer de mama

COMPARTILHAR

Evento faz parte da programação do “Outubro Rosa”

BRASÍLIA (20/10/16) – O fato de perder uma ou duas mamas me deixa menos mulher? “- a indagação da residente em psicologia do Hospital de Base (HBDF), Sarah Carvalho, abriu a palestra de autoimagem e sexualidade destinada à pacientes da unidade que tiveram ou ainda enfrentam câncer de mama. O evento faz parte da programação do “Outubro Rosa”, que vai de quinta-feira (20) a sexta (21).

Promovido pelas áreas de Fisioterapia, Terapia Ocupacional, Fisiatria e Psicologia do HBDF, o encontro está acontecendo na unidade de Reabilitação do HBDF. Além da palestra, serão dadas orientações sobre mastectomia, reconstrução mamária, quimioterapia entre outros tratamentos. Também haverá espaço para depoimentos de mulheres que superaram a doença.

“Quando somos diagnosticados com câncer vem aquele medo e desespero, vem as dores. Mas quando entramos para um grupo com profissionais que nos apoiam, onde tem mulheres que passam pela mesma situação, ou que estão com estágios da doença mais avançados, vemos que precisamos de força e enxergamos que é só uma fase e vai depender muito do nosso estado mental, emocional, como encaramos”, relata Maria Eunice Santos que fez mastectomia e tratamento na unidade.

Para Elania Souza, que passou pelo tratamento e agora faz reabilitação no Base, o trabalho das equipes de fisioterapia, terapia ocupacional e psicologia foram essenciais na recuperação dela. “Durante a mastectomia, às vezes, tem que retirar toda mama e parte das glândulas mamarias e isso causa problemas com a movimentação do braço. Consegui voltar meus movimentos graças a estes profissionais”, elogia Elania Souza.

LINFEDEMA – Para complementar o atendimento às mulheres mastectomizadas, a unidade conta também com o acompanhamento do médico fisiatra – especialista em doenças ou lesões nervosas, musculares, articulares e ósseas, que afetam a forma como se dá os movimentos.

“Um dos principais cuidados que temos após as cirurgias, está relacionado à prevenção do linfedema – que ocorre quando o fluído corporal, conhecido como linfa, se acumula nos tecidos moles do corpo, habitualmente no braço ou na perna, causando dores e inchaços. E é bem incidente nas mulheres. Por isso, a nossa maior preocupação com as mulheres mastectomizadas está relacionada ao linfedema. Trabalhamos na prevenção disso”, acrescenta a fisiatra do HBDF Alice Simioni.

A unidade de Medicina Física e Reabilitação do HBDF atende uma média de 120 mulheres por semana. O setor cuida da parte de reabilitação das pacientes que foram mastectomizadas e que precisam de cuidados pós-operatório tanto na prescrição de medicamentos quanto na prática de exercícios físicos após a cirurgia.

Veja as fotos aqui