Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
18/03/16 às 20h20 - Atualizado em 30/10/18 às 15h14

Práticas Integrativas em Saúde ajudam a autoestima e melhoram a socialização

COMPARTILHAR

Serviço é oferecido na rede pública a pacientes, servidores e à população de forma geral 

BRASÍLIA (18/03/2016) – Trabalhar com a saúde e não com a doença é a principal missão das Práticas Integrativas em Saúde (PIS), técnicas que fortalecem os mecanismos naturais de cura do próprio organismo. Acupuntura, meditação, musicoterapia, yoga, dentre outras, fazem parte da lista de atividades oferecidas em 210 pontos da rede de saúde pública do Distrito Federal. Além de fácil acesso, a maioria não precisa de encaminhamento médico, nem de prévio agendamento.

Muitos não sabem que os próprios centros de saúde oferecem essas ações que, de acordo com a Gerente das PIS da Secretaria de Saúde do DF, Valéria Cyriaco da Silva Frota, estão abertas para servidores, pacientes e população de uma maneira geral. “Percebemos que as pessoas estão procurando cada vez mais por este tipo de prática, pois seu principal benefício é que ela pode ser utilizada em paralelo com qualquer outro tipo de tratamento”, relata.

A gerente ressalta que somente no caso da acupuntura é necessário que o interessado tenha em mãos o encaminhamento de um dentista, de um médico ou até mesmo de um psicólogo. Na área de homeopatia, é preciso que a pessoa entre em contato com um dos pontos que ofereça esta especialidade e agende um horário. Para as outras práticas, basta verificar o horário no site da secretaria de Saúde e participar da atividade.

BENEFÍCIOS – Além de elevar a autoestima, pois a maioria das práticas promovem a socialização por serem realizadas em grupo, a gerente destaca ainda outros benefícios das PIS. “Elas promovem uma boa circulação, previnem as dores no corpo, melhoram a postura, acalmam as emoções, favorecem a concentração, normalizam a respiração, favorecem o relaxamento e as tensões, restauram a sensibilidade e favorecem o equilíbrio físico e emocional”.

HISTÓRICO – As práticas começaram em 1987 com a fitoterapia. “Foi o projeto de uma médica que começou a trabalhar com os fitoterápicos no Núcleo Bandeirante em um pequeno canteiro de ervas”. Logo em seguida, em 1990, foi implantada a automassagem no Hospital Regional de Planaltina.

DISTRIBUIÇÃO– Atualmente, existe no DF a Farmácia Viva no Riacho Fundo, onde têm medicamentos distribuídos na rede e a farmácia no centro de referência em PIS em Planaltina, onde faz a distribuição de ervas in natura ou manipuladas.

Confira as fotos aqui

Leia também...