Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
19/05/20 às 14h47 - Atualizado em 20/05/20 às 10h48

Saúde amplia carga horária de servidores do Hospital Regional da Asa Norte

COMPARTILHAR

Medida ocorre para reforçar atendimento na UTI da unidade

 

A Secretaria de Saúde ampliou de 20 para 40h a jornada de trabalho de 15 técnicos de enfermagem e 1 enfermeiro já capacitados para trabalhar na UTI adulta. A equipe deve reforçar os dez leitos, com suporte respiratório, abertos no começo do mês para o tratamento de pacientes com a Covid-19.

 

Referência no atendimento aos afetados pelo coronavírus, a unidade hospitalar conta agora com 20 leitos plenos de terapia intensiva voltados aos que estão com a doença. Com a medida, mais 320 horas de atendimento serão ofertadas e se somam as 1.320 horas concedidas em março deste ano.

 

O anúncio ocorreu durante cerimônia no Hran na noite desta segunda-feira (18), com a participação de funcionários e autoridades. “A ação valoriza e evita a sobrecarga desse profissional, para que a secretaria possa entregar um serviço de excelência para a população”, destaca a subsecretaria de gestão de pessoas da saúde, Silene Almeida.

 

O deputado distrital, Claudio Abrantes, participou do evento e lembrou que ampliar a carga horária é valorizar os profissionais da saúde de forma concreta. “Além das palmas, dos vídeos, das homenagens, é uma ação de cuidado com esses profissionais dedicados que arriscam suas vidas nesse combate”.

 

APOIO PSICOLÓGICO – Na ocasião, o presidente do Iges-DF, Sérgio Costa, e a presidente do SindSaúde, Marli Rodrigues, assinaram contrato para a  prestação de serviço de psicologia voltado para os profissionais de saúde que estão à frente do combate à Covid-19.  A pasta disponibilizará atendimento individual e presencial com psicólogo em dois turnos para esses trabalhadores. Serão mais 240 atendimentos por mês até o dia 31 de dezembro de 2020.

 

O secretário adjunto de saúde, Ricardo Tavares, lembrou que antes de serem servidores, esses profissionais também são filhos, pais, mães, netos. “Enfrentar o isolamento da família, o medo, o risco diário, vivemos um momento difícil. O apoio à saúde mental para os profissionais é indispensável, pois não sabemos como todos nós estaremos no pós-pandemia”.

 

A iniciativa é um reconhecimento da necessidade de apoio a esses profissionais que, pelo trabalho intenso, com riscos de contaminação elevados e enfrentando condições adversas, lidando com a sua  dor e a dos pacientes e familiares, podem ter sintomas como ansiedade, depressão, irritabilidade, transtorno de estresse agudo e burnout, dentre outros.

 

O presidente do Instituto de Gestão Estratégica de Saúde do Distrito Federal (Iges-DF), Sérgio Costa, lembrou que esses profissionais vão conviver com o impacto dessa pandemia. “É uma resposta efetiva da pasta à sociedade, para mostrar como vamos viver com o pós-pandemia”.

 

Da Agência Saúde

Fotos: Breno Esaki/Agência Saúde